Foreign Policy: Expansão de novas armas chinesas limitará domínio mundial dos EUA

© East News / ImaginechinaChinese soldiers pose in tanks during a training session at the Academy of Armored Forces Engineering of the Peoples Liberation Army (PLA) in Beijing, China, 22 July 2014
Chinese soldiers pose in tanks during a training session at the Academy of Armored Forces Engineering of the Peoples Liberation Army (PLA) in Beijing, China, 22 July 2014 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Na próxima década as armas chinesas baratas, mas de boa qualidade vão se expandir no mercado mundial e, por causa disso, o exército norte-americano terá dificuldades em intervir em outros países, escreve a revista estadunidense Foreign Policy.

Rosoboronexport - Sputnik Brasil
Rosoboronexport exportou armamentos no valor de U$13,2 bilhões em 2014
“Os sistemas chineses de armas são frequentemente muito mais baratos do que os dos outros exportadores. Embora não sejam melhores do que análogos russos ou norte-americanos, são muitas vezes bastante bons”, explica a revista.

 Os países emergentes, que anteriormente só podiam permitir-se armas usadas da época da Guerra Fria, no futuro próximo poderão comprar tudo o que quiserem, inclusive caças modernos, navios de guerra e projéteis de alta precisão. A qualidade das armas chinesas vai crescer e o preço diminuir, acrescenta a Foreign Policy.  

Assim, os tempos em que as Forças Armadas dos EUA tinham toda a liberdade na cena internacional estão acabando, explica a revista: agora será mais difícil para eles intervir nos assuntos dos outros países sem perdas significativas. 

US Navy Ships in Indian Ocean - Sputnik Brasil
Quem vencerá na luta pelo domínio dos oceanos: China ou EUA?
Porém, a Foreign Policy sublinha que a divulgação de armas chinesas ao mesmo tempo poderá ter um impacto negativo desestabilizador nas regiões do mundo onde tem uma rivalidade entre países vizinhos: Se um Estado comprar armas mais eficazes, o outro pode se sentir ameaçado e fazer o mesmo. Isso pode endurecer o conflito entre eles, frisa a revista. 

A Foreign Policy cita os últimos dados do Instituto de Pesquisa de Problemas de Paz de Estocolmo (SIPRI na sigla em inglês), segundo os quais a China neste momento é o terceiro maior exportador mundial de armas. Os EUA e a Rússia ocupam respectivamente o primeiro e o segundo lugar.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала