Lavrov: Rússia não vai pedir à UE para suspender sanções

© Sputnik / Vladimir Sergeev / Abrir o banco de imagensBandeiras da Rússia e da União Europeia
Bandeiras da Rússia e da União Europeia - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Rússia não tem nenhuma intenção de pedir à União Europeia que suspenda as sanções impostas contra o país, segundo declarou o chanceler russo, Sergei Lavrov, após conversações nesta terça-feira (10) com o ministro espanhol das Relações Exteriores, José Manuel Garcia-Margallo.

Segundo Lavrov, Moscou não discutiu a questão das sanções, na medida em que elas não foram sua escolha. Assim, nas palavras do chanceler, não haverá qualquer tentativa, por parte da Rússia, de “persuadir” os parceiros europeus de “qualquer coisa”. Segundo ele, “a vida vai trazer tudo de volta à ordem".

De acordo com o ministro Garcia-Margallo, as sanções antirrussas “não beneficiam ninguém” e são muito prejudiciais para a economia espanhola, “especialmente no setor da agricultura". Além disso, em sua avaliação, os acordos de Minsk para a resolução da crise ucraniana estão sendo observados, de modo que não há motivos para expandir as sanções contra a Rússia.

O chanceler russo Sergei Lavrov - Sputnik Brasil
Lavrov: burocracia de Bruxelas aumenta tensão entre a UE e Rússia

O ministro espanhol afirmou que as armas estão sendo retiradas da linha de frente no leste da Ucrânia, mas, segundo Lavrov, as autoridades de Kiev estão freando o cumprimento dos acordos de paz, possivelmente na esperança de arrastar a implementação das reformas políticas acordadas.

De acordo com o chefe da diplomacia russa, Kiev está “se recusando fortemente a cumprir a cláusula relativa à criação de grupos de trabalho, acordados pelo quarteto da Normandia, e se recusa a chegar a um compromisso sobre as eleições locais” nas autoproclamadas Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk. Além disso, Lavrov acusou Kiev de “procurar dificultar de todas as formas possíveis o trabalho do Grupo de Contato em si, aparentemente na tentativa de criar uma tensão, pôr em causa o cumprimento dos pontos militares do acordo e, assim, atrasar as reformas políticas".

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала