Sobe para 5 o número de suspeitos da morte de Boris Nemtsov, todos ficarão sob custódia

© Sputnik / Ramil Sitdikov / Abrir o banco de imagensFlores depositadas no local de assassinato de Boris Nemtsov
Flores depositadas no local de assassinato de Boris Nemtsov - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A corte Basmanny de Moscou sancionou neste domingo (8) a prisão para Zaur Dadaev, um dos suspeitos no assassinato do político russo Boris Nemtsov.

O suspeito ficará sob custódia pelo menos até 28 de abril de 2015. 

Segundo informa a corte, a decisão foi tomada tendo em conta a confissão de Dadaev quanto ao envolvimento no assassinato de Nemtsov.

Neste domingo tornou-se público que o número de suspeitos de envolvimento na morte de Nemtsov cresceu de três para cinco pessoas.

A porta-voz da corte informou que o processo contra os supostos assassinos Anzor Gubashev e Zaur Dadayev será considerado pela presidente interina do tribunal, Natalya Mushnikova.

Mais tarde ela sancionou também a prisão de Anzor Gubashev. 

A questão da prisão de Shagid Gubasev e dos dois novos suspeitos – Bakhaev e Eskerkhanov – ficará a cargo de um outro juiz. Gubasev ficará sob custódia até o dia sete de maio, os dois restantes – até oito de maio.

Um dos novos suspeitos alega que tem um álibi para o momento do assassinato. "Na altura do assassinato estava no trabalho. Meus colegas podem confirmam isso", declarou Eskerkhanov durante uma das audiências no tribunal.

Presidente da Rússia Vladimir Putin - Sputnik Brasil
Putin: Rússia deve impedir repetição de tragédias como o assassinato de Nemtsov
O político russo de oposição Boris Nemtsov foi assassinado a tiros no centro de Moscou em 27 de fevereiro, durante um passeio com a namorada Anna Duritskaya, uma ucraniana de 23 anos. Segundo o jornal russo Kommersant, ela não é única testemunha ocular do assassinato. Supostamente perto da cena do crime por coincidência se encontrariam também agentes policiais, que descreveram os assassinos mais nitidamente do que Duritskaya.

A reação ao assassinato do político de oposição Boris Nemtsov foi imediata. O presidente da Federação da Rússia Vladimir Putin, que foi informado rapidamente sobre o crime, prestou condolências à família e amigos do político. O chefe de Estado russo delegou às autoridades de segurança do país a criação de um grupo investigativo misto, com participação do Ministério do Interior e Serviço Federal de Segurança da Federação da Rússia (FSB na sigla em russo), a tarefa coordenar os trabalhos.

Boris Nemtsov tinha 55 anos. Ele foi vice-primeiro ministro do governo russo na época do presidente Boris Yeltsin. Na ocasião, o político foi considerado um possível candidato à presidência. Em dezembro de 2007, o seu partido Soyuz Pravykh Sil (União das Forças de Direita) propôs Boris Nemtsov como candidato para o cargo de presidente da Rússia nas eleições de março de 2008. Em dezembro de 2007, o rating da sua candidatura à presidência foi inferior a 1%. Em 26 de dezembro, antes do início da campanha eleitoral, Nemtsov retirou a sua candidatura a favor de Mikhail Kasianov.

Marcha fúnebre em memória do político de oposição Nemtsov - Sputnik Brasil
Marcha fúnebre em memória do político Boris Nemtsov
Desde o início da presidência de Vladimir Putin, Nemtsov se posicionou como um crítico ativo da sua administração. Desde então, ele ocupou diversos cargos públicos e foi eleito sucessivas vezes para o parlamento. Desde 2012, ele é co-preside o Partido Republicano da Rússia — Partido da Liberdade Popular (RPR-PARNAS). Desde 2013, foi deputado da Duma da oblast de Iaroslavl, cidade satélite de Moscou.

A imprensa internacional também reagiu rapidamente à morte de Boris Nemtsov. As notícias, em sua maioria, davam ênfase às atividades oposicionistas do político e informavam sobre a marcha da oposição convocada por este para 1 de março.

O secretário de imprensa do Kremlin, Dmitri Peskov, se manifestou a esse respeito à radio Kommersant. “Com todo o meu respeito à memória de Boris Nemtsov, no plano político ele não representava nenhuma ameaça para o governo atual da Rússia e para Vladimir Putin pessoalmente”.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, condenou o assassinato e exigiu uma investigação rápida, imparcial e transparente sobre as circunstâncias do crime. A chancelaria do Reino Unido também teve postura semelhante à norte-americana e disse que irá acompanhar a investigação.


Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала