- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Cientistas brasileiros desenvolvem sementes de soja para o combate à AIDS

Cientistas brasileiros desenvolvem sementes de soja para o combate à AIDS
Nos siga noTelegram
Pesquisa realizada em parceria entre a Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia do Distrito Federal, o Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (NIH) e a Universidade de Londres conseguiu comprovar que sementes de soja podem carregar uma proteína, chamada cianovirina, muito eficaz no combate à AIDS.

De acordo com o cientista e coordenador dos estudos da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Elíbio Rech, a pesquisa iniciada em 2005 se baseia na introdução da cianovirina, uma proteína presente em algas e que é capaz de impedir a multiplicação do vírus HIV no corpo humano, em sementes de soja geneticamente modificadas para a produção em larga escala.“Essa proteína foi isolada de uma alga-verde-azul (Nostoc ellipsosporum) presente no oceano. Ela se liga ao vírus do HIV e impede essa replicação no corpo humano.”

Antes do sucesso com a soja, foram realizados testes com outras das chamadas biofábricas, como plantas de tabaco (N. tabacum e N. benthamiana), bactéria (E. coli) e levedura (S. cerevisiae).

Preservativos - Sputnik Brasil
Ministério da Saúde utiliza aplicativo de relacionamento para prevenção à AIDS
Ainda segundo Elíbio Rech, os efeitos positivos da cianovirina contra a AIDS já estavam comprovados desde 2008, a partir de testes que foram realizados com macacos pelo instituto americano NHI, e a capacidade natural dessa proteína de se ligar a açúcares impedindo a multiplicação do vírus já é conhecida pela comunidade científica mundial há mais de 15 anos. "O que faltava era descobrir uma forma eficiente e econômica para produzir a proteína em larga escala.”

O cientista ressalta que as sementes geneticamente modificadas não vão ser plantadas no campo. Elas vão ser sempre cultivadas em condições controladas de contenção dentro de casas de vegetação ou estufas. “São estufas de plantas, onde se tem o controle para evitar que escapem para o meio ambiente, e eventualmente ocorra o cruzamento com outra soja que é plantada para fins de aplicação, como alimentação humana e animal. Nós conseguimos produzir dentro de uma estufa, uma quantidade até 10 vezes superior ao que é produzido no campo, podendo gerar assim uma grande quantidade de sementes, controlando só com a luz o crescimento da planta.”

Elíbio Rech explica que, além de inovadora, a pesquisa tem um forte componente humanitário. Países em desenvolvimento com altos índices de infestação da AIDS, como alguns da África, por exemplo, vão ter acesso à tecnologia e à licença de produção e uso interno, livre do pagamento de royalties. “É um potencial medicamento, que vai sem dúvida contribuir para reduzir e prevenir o contágio pelo HIV. A prevenção é o caminho natural da medicina do futuro.”

Dados da Embrapa apontam que a África continua sendo o continente mais afetado pela doença, com 1,1 milhão de mortos em 2013, 1,5 milhão de novas infecções e 24,7 milhões de africanos contaminados. África do Sul e Nigéria encabeçam a lista dos países mais afetados.

Na América Latina, com 1,6 milhão de soropositivos em 2014 (60% deles, homens), o país mais preocupante é o Brasil, onde o índice de novos infectados pelo vírus subiu 11% entre 2005 e 2013, tendência contrária aos números globais, que apresentaram queda no mesmo período. Na Ásia, os países que apresentam maior contaminação são Índia e Indonésia, onde as infecções aumentaram 48% desde 2005.

Fita da AIDS - Sputnik Brasil
AIDS é principal causa de morte de adolescentes na África
O próximo passo é a produção de sementes de soja em larga escala para isolar a cianovirina e iniciar a fase de estudos pós-clínicos. Durante as próximas fases de desenvolvimento, os cientistas contarão também com a colaboração de cientistas do Conselho de Pesquisa Científica e Industrial da África do Sul (CSIR, na sigla em inglês). “Nós estamos na fase de que vai haver a necessidade de uma empresa farmacêutica assumir o desenvolvimento, porque a Embrapa gerou um ativo biotecnológico, e esse ativo vai ser disponibilizado para empresas farmacêuticas que tenham o interesse no desenvolvimento. A partir de agora o trabalho de escalonamento e purificação em larga escala e todos os testes pré-clínicos e clínicos requeridos para que um produto possa chegar ao mercado vão ser conduzidos por uma empresa farmacêutica.”

Elíbio Rech analisa ainda que o Brasil já possui um destaque expressivo nas áreas científica e tecnológica em relação aos países desenvolvidos, contribuindo através de muitos estudos e colaborações científicas em várias áreas do conhecimento. “É importante que se intensifique cada vez mais a participação do Brasil no ramo científico e tecnológico para manter a nossa competitividade futura no mercado mundial.”

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала