Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Quais as razões dos exercícios militares dos EUA na Tailândia?

Angelo Segrillo comenta os exercícios Cobra Gold 2015
Nos siga no
Os exercícios militares Cobra Gold, que os EUA finalmente decidiram realizar na Tailândia, “mostram as prioridades dos Estados Unidos” e revelam o seu interesse na região da Ásia-Pacífico, diz Angelo Segrillo, especialista em História e professor na USP.

Em entrevista à Sputnik, o professor Segrillo destacou a envergadura dos exercícios, de que participam mais de 10 mil efetivos de 24 países. Segundo o especialista, há uma forte sensação de que os EUA estão tentando criar uma versão asiático-pacífica da OTAN:

“É mais ou menos como a OTAN fez em relação ao Atlântico, neste caso em relação ao Pacífico. Esse tipo de exercício militar é o equivalente a se tentar fazer uma ponte entre os Estados Unidos e os países que lhe são mais chegados na região da Ásia do Pacífico, especialmente neste momento”.

O momento é de reforço significativo do poder econômico da China. É por isso, avalia o historiador, que os Estados Unidos querem organizar um “cerco” em torno ao maior país da Ásia e futura maior economia do mundo.

O doutor Angelo Segrillo afirma que a economia da China já ultrapassou a dos EUA. Se calculado com base na paridade do poder de compra (sem dependência da taxa de câmbio do dólar estadunidense), o Produto Interno Bruto (PIB) chinês já é maior que o estadunidense.

“A economia é uma ciência lúgubre”, comenta Segrillo esta “surpresa” para os EUA.

A China, claro, terá que se esforçar para crescer mais e aumentar o seu PIB per capita, principal referência mundial. Mas “apesar de o crescimento ter diminuído, continua aumentando duas ou três vezes mais rápido do que os EUA”, comenta o historiador.

Democracia e prioridades atuais

Os exercícios Cobra Gold foram realizados pela primeira vez em 1982 com a participação dos EUA e Tailândia, país anfitrião.

Na segunda metade de 2014, não se sabia se os Cobra Gold 2015 iriam ter lugar. Em meados do ano passado, na Tailândia ocorreu um golpe de Estado, e os EUA começaram a pressionar, ainda que de um modo ligeiro, o seu parceiro asiático. A decisão final de realizar os exercícios anuais veio depois de uma “aproximação com a China” por parte da Tailândia, comenta o doutor Segrillo:

“Isso mostra um pouco as prioridades dos Estados Unidos. Existe a retórica da questão da democracia, mas na hora H os interesses estratégicos prevalecem sobre esta questão da democracia, direitos humanos et cétera. Esses exercícios são muito interessantes, porque os EUA voltaram atrás em relação a esta questão da Tailândia, a questão da democracia ficou no segundo plano e os interesses estratégicos prevaleceram”.

O professor ainda lembra que a Tailândia “sempre foi um aliado tradicional dos Estados Unidos desde os tempos da Guerra Fria e da guerra do Vietnã”.

Segundo o historiador, tudo isso é consequência do desejo dos EUA de manter a sua autoridade política e econômica na região, onde pelo menos um “tigre asiático” está caminhando meio tranquilo:

“A China crescendo a esta velocidade, parece um Leviatã crescendo. A China que certamente já está com o poder de enfrentar os Estados Unidos frente a frente. Não digo militarmente, mas simplesmente ser efetivo. E por isso os EUA querem se precaver fazendo aliança com diversos países em volta da China”.

Questão da China e da Rússia

Não é só a China que preocupa os EUA. Angelo Segrillo opina que 2015 é “um ano de tensões”, inclusive por causa do confronto entre os EUA e a Rússia. É também por isso, acha o professor, que esses exercícios militares são um acontecimento importante deste ano.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала