Lothar Matthaus segura a Taça da Copa do Mundo durante uma exposição do objeto no Aeroporto Internacional Sheremetyevo em Moscou, Rússia.

Quem chega à final da Copa do Mundo? FGV já tem os favoritos

© Sputnik / Anton Denisov
Copa do Mundo 2018
URL curta
0 134

Se você não quer perder o bolão, seria bom ficar de olho no portal da Escola de Matemática Aplicada da FGV. Estatísticos e economistas liderados pelos professores Paulo Cezar Pinto Carvalho, Arthur da Silva Pereira Carneiro e Moacyr Alvim Barbosa da Silva vêm prevendo o resultado e analisando as chances de cada seleção chegar à final do torneio.

A média de acertos não está das piores: a FGV previu corretamente os vencedores de quase 60% das partidas realizadas na fase de grupos da Copa do Mundo. Em 10 delas, cravou o resultado exato, enquanto em outras 17 previu corretamente o campeão.

FGV prevê as chances de cada seleção chegar na final da Copa do Mundo FIFA 2018.
FGV prevê as chances de cada seleção chegar na final da Copa do Mundo FIFA 2018.

Para a final, a instituição já têm os números, atualizados nesta tarde. O Brasil lidera a tabela, com 48,83% de chance de alcançar a grande final em Moscou no dia 15 de julho. A julgar pelos cálculos, caso a Seleção chegue tão longe no torneio, deve enfrentar a Croácia (35% de chance). Suécia (com 27,98%) e Inglaterra (25,21%) completam o Top 3 de apostas da FGV. 

Curiosamente, a talentosa seleção belga tem a terceira pior perspectiva de alcançar a última partida da Copa: 14,95%, média que só supera a Uruguai (12,3%) e Rússia (11,39%). A FGV prevê uma chance de 61% do Brasil passar pela Bélgica na próxima sexta-feira (6).

As probabilidades de levantar a taça continuam praticamente inalteradas. O Brasil segue na liderança, com 32% de chance de vencer o torneio, seguido da Croácia (15%) e Suécia (11%). A França, provável adversária da Seleção nas semifinais, tem metade das chances brasileiras (16%).

Para chegar a estes números, a FGV explica que leva em consideração todos os confrontos entre as 222 seleções da FIFA nos últimos 4 anos. Os estatísticos geraram parâmetros de defesa e ataque para cada seleção de acordo com gols marcados e sofridos, atribuindo peso às partidas de acordo com o grau de dificuldade, a natureza do jogo (torneios oficiais ou um amistoso, por exemplo) e a data das partidas (jogos mais recentes contam mais).

Tags:
Copa do Mundo 2018, Fundação Getúlio Vargas, Escola de Matemática Aplicada da FGV, FIFA, Seleção Brasileira, Moacyr Alvim Barbosa da Silva, Arthur da Silva Pereira Carneiro, Paulo Cezar Pinto Carvalho, França, Suécia, Bélgica, Brasil, Uruguai, Rússia, Inglaterra
Padrões da comunidadeDiscussão
Comentar no FacebookComentar na Sputnik