Neymar marca primeiro gol para o Brasil durante amistoso em Liverpool, no Reino Unido.

Com 'Neymardependência' e sufoco no primeiro tempo, Brasil vence a Croácia por 2x0

© REUTERS / Andrew Yates
Copa do Mundo 2018
URL curta
334

Faltam exatas duas semanas para a estreia da Seleção Brasileira na Copa do Mundo 2018 e o time inicia com vitória a sequência de jogos que enfrenta de hoje até a possível final em Moscou, no dia 15 de julho: 2x0 no amistoso contra a Croácia, gols de Neymar e Roberto Firmino.

Com 1º tempo complicado e grande dependência de Neymar, porém, a Seleção precisará de ajustes se quiser sagra-se hexacampeã. Ao menos é o que considera o jornalista esportivo e ex-presidente da Associação dos Cronistas Esportivos do Rio de Janeiro (ACERJ), Marcos Penido em entrevista à Sputnik Brasil.

"O Brasil está mostrando problemas que acreditava estarem superados. Embora tenhamos uma vitória de 2x0, continuamos dependendo do Neymar, não dá pra entender o porquê do Tite escalar 3 volantes. É a segunda vez que ele insiste [nesta formação] e tem dificuldades sérias, o time não anda", avalia o jornalista.

Penido destaca também a queda no nível de marcação dos jogadores. Durante as Eliminatórias da Copa, o time brasileiro ganhou notoriedade pela marcação forte que não deixava espaço para o adversário. Ao contrário do que se viu neste domingo na partida contra os croatas, que dominaram a primeira metade do jogo e não abriu oportunidade para finalizações.

A equipe só foi deslanchar mesmo aos 23 minutos do 2º tempo, com gol de Neymar. Ao comemorar, o jogador correu para um abraço no médico da Seleção, Rodrigo Lasmar, responsável pela recuperação do craque desde que fraturou um dos ossos do pé direito no fim de fevereiro.

​"Vamos torcer que o Neymar chegue a 80, 100% [na Copa do Mundo] porque aparentemente o time sem ele não faz muito", critica Penido.

Copa das Surpresas? Nem tanto

A Alemanha, considerada a principal rival do Brasil rumo ao título, tomou sufoco ontem e amargou de virada, a derrota por 2x1 no amistoso contra a Áustria. Com as dificuldades enfrentadas pelo time brasileiro, dá para imaginar uma Copa imprevisível como foi a do Brasil em 2014? Penido acredita que não.

"Cobri 9 copas e no final, acaba que afunila mesmo [em torno das favoritas]. Não vejo essa grande surpresa. Precisamos dar um desconto para os dois times [favoritos], foi o penúltimo amistoso do Brasil depois de um tempo sem treinar juntos. O mesmo aconteceu com a Alemanha, que não jogou com todos os titulares. Na hora do 'vamos ver', os times crescem", acredita.

A grande surpresa, continua Penido, pode ser a seleção da França. Com time novo e veloz, os Bleus têm surpreendido na pré-temporada. Possíveis adversários do Brasil na semi-final (em caso de classificação em 1º lugar nos seus respectivos grupos), os franceses chegam com força na Copa do Mundo.

"Vai ser complicado, estão jogando muito, um negócio de maluco. Poucas vezes vi times tão velozes como este agora", conclui Marcos.

Tags:
Copa do Mundo de 2018, Associação dos Cronistas Esportivos do Rio de Janeiro, Roberto Firmino, Rodrigo Lasmar, Marcos Penido, Tite, Neymar, Áustria, Croácia, Alemanha, França, Rússia, Brasil
Padrões da comunidadeDiscussão
Comentar no FacebookComentar na Sputnik