23:13 05 Abril 2020
Ouvir Rádio
    #SputnikExplica
    URL curta
    Brasil enfrenta COVID-19 (234)
    9233
    Nos siga no

    Desde dezembro de 2019, a COVID-19, originada pelo novo coronavírus, espalhou-se rapidamente e, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), mais de 80 mil casos foram confirmados e aproximadamente 2,7 mil pessoas morreram. Nesta quarta-feira (26), o Brasil confirmou o primeiro resultado positivo para o coronavírus.

    A Sputnik explica quais as futuras perspectivas e o caminho a seguir para conter a epidemia que já atingiu mais de 40 países pelo mundo.

    O coronavírus é um vírus mutante como todo vírus, portanto não é novo. Nova é sua atual cepa, conforme o diretor e infectologista do Centro de Pesquisa Estatal de Virologia e Biotecnologia de Moscou, Georgy Vikulov.

    Vikulov também ressaltou à Sputnik Brasil que dentre os cerca de 2% dos infectados que morreram havia pessoas entre 50 e 80 anos de idade que apresentavam algum tipo de doença prévia.

    A nova estirpe de coronavírus foi detectada na cidade de Wuhan, capital da província central chinesa de Hubei. A doença pode ser transmitida de pessoa para pessoa e é contagiosa sem sintomas durante a fase de incubação, que dura até 14 dias. No dia 30 de janeiro, a OMS declarou emergência internacional frente à propagação do novo coronavírus.

    Avanço do coronavírus pelo mundo

    Até agora, já foram confirmados mais de 80 mil casos em mais de 40 países e territórios. Por sua vez, a China concentra grande parte dos casos, chegando aos 96,8%, seguida pela Coreia do Sul, que já diagnosticou 763 casos confirmados, e pela Itália, que soma mais de 200 casos.

    O coronavírus já chegou a cinco continentes e nesta quarta-feira (26) vários países, incluindo Brasil, Grécia, Geórgia, Macedônia do Norte, Noruega, Romênia e Paquistão, confirmaram os primeiros casos.

    Na Ásia, os países que possuem os maiores números de casos confirmados (além da própria China) são Coreia do Sul, Japão e Singapura. Na Europa lideram a Itália, Alemanha, Reino Unido e França. Já no Oriente Médio, o Irã e os Emirados Árabes possuem o maior número. Na América do Norte a lista conta com os EUA e Canadá.

    Na América do Sul, o Brasil registrou o primeiro resultado positivo confirmado para o coronavírus nesta quarta-feira. De acordo com o Ministério da Saúde, o paciente é um homem de 61 anos, residente de São Paulo, que viajou à Itália, região da Lombardia, no período de 9 a 21 de fevereiro.

    Além do paciente infectado, o Brasil possui outras 20 suspeitas, enquanto que 59 casos foram descartados.

    Pandemia, epidemia ou endemia?

    Para a OMS, a situação ainda não deve ser tratada de uma pandemia, entretanto, está próxima de se tornar uma.

    A pandemia é a disseminação mundial de uma nova doença infecciosa como, por exemplo, o surto da gripe H1N1, de 2009, que foi classificado como pandemia, segundo a OMS.

    "Utilizar a palavra pandemia de maneira descuidada não traz benefícios tangíveis, mas sim um risco significativo em termos de amplificação do medo e estigma desnecessários e injustificados, além de paralisar os sistemas. Além de indicar que não podemos mais conter o vírus, o que não é verdade", afirmou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

    A epidemia é caracterizada pelo aumento repentino da quantidade de casos de doença infecciosa em uma grande quantidade de pessoas em um grande território e um curto período de tempo.

    Enquanto que a endemia é caracterizada por enfermidades que afetam um determinado país ou região em um período de tempo habitual, sendo comuns devido a fatores culturais, genéticos e tradicionais. Entretanto, a quantidade de pessoas contaminadas não aumenta drasticamente.

    No momento, o coronavírus segue sendo uma epidemia, porém, a OMS o qualificou como potencialmente pandêmico.

    O infectologista Georgy Vikulov acredita que "a mortalidade do cornoavírus será controlada e deve manter um percentual, entretanto, por ser um vírus altamente contagioso, o número de contaminados pode facilmente ser elevado".

    Comparação entre COVID-19, Sars, Ebola, Mers e H1N1

    Por ser uma mutação nova, ainda se sabe pouco sobre o COVID-19, mas por enquanto em termos de porcentagem é mais letal do que o H1N1 (gripe suína), que causou uma epidemia em 2009, mas menos letal que o Sars e Mers.

    Comparando a taxa de mortalidade do COVID-19, que hoje é de 2,3%, com alguns outros vírus e infecções, os estudos globais indicam que o coronavírus é menos grave, mas ainda pode causar mais mortes em números absolutos se se espalhar.

    A taxa de mortalidade durante a pandemia de gripe suína em 2009-2010 era cerca de 0,02% (ou 0,08% se tomarmos em conta a estimativa mais alta de vítimas), o que é uma porcentagem relativamente baixa, mas em números absolutos o total de mortalidade é estimado entre 151.700 e 575.400 pessoas, tendo em conta que uma em cada cinco pessoas era infetada durante a pandemia, o que prova alta contagiosidade do vírus. A mortalidade de COVID-19 é mais alta, mas tal capacidade de expansão é duvidosa.

    Enquanto isso, a raiva e Ebola alcançaram uma taxa de mortalidade de aproximadamente 95% e 50% respectivamente, ou seja, são doenças definitivamente mais graves que o COVID-19 em termos de mortalidade.

    No caso da Sars, o risco de morte era muito maior quando o surto ocorreu em 2003, alcançando uma taxa de mortalidade de aproximadamente 10%, quando 774 pessoas morreram.

    Já a taxa de mortalidade da Mers, que eclodiu em 2012, estava em torno de 20% a 40%, causando a morte de ao menos 828 pessoas.

    Em números absolutos de mortes o recorde é atribuído à gripe espanhola, que matou mais de 50 milhões de pessoas entre 1918 e 1919. Porém, tal número grande pode ser atribuído aos fatores negativos causados pela Primeira Guerra Mundial: grande concentração de pessoas, deterioração da medicina e má nutrição.

    América Latina está pronta para combater o coronavírus?

    Hoje, há 25 casos de coronavírus confirmados na América do Norte e um no Brasil, e a América Latina começa a se adaptar para evitar o contágio do COVID-19.

    A Argentina, a Colômbia e o Paraguai reforçaram o controle na chegada de passageiros proveniente da Itália e Coreia do Sul, fazendo com que os documentos desses passageiros passem por um controle minucioso em tempo real no Ministério da Saúde.

    A Guatemala acredita que a chegada do coronavírus seja inevitável, mas também elevaram os controles em seus aeroportos.

    O Chile criou um alerta sanitário para que a população compre máscaras e álcool em gel.

    Já o Brasil decidiu ativar estado de alerta máximo devido ao primeiro caso diagnosticado na América do Sul. Além disso, o país pretende tomar medidas preventivas e prevenir os grupos de risco.

    "Combater o COVID-19, enquanto uma vacina está sendo criada, pode ser uma tarefa difícil devido ao grau de contagiosidade, poder evolutivo e principalmente pelo fato de que em determinados casos ele não apresenta sintomas", afirmou à Sputnik Brasil o professor e especialista em biossegurança da Academia de Ciência Médicas da Rússia, doutor Nikolai Durmanov.

    COVID-19 é motivo de pânico?

    Hans Kluge, diretor regional da OMS na Europa, afirmou em uma coletiva de imprensa, citada pelo portal G1 que "não há necessidade de pânico", pois a taxa de mortalidade é de aproximadamente 2%.

    Durmanov observou que "declarações sobre a possibilidade de o coronavírus se tornar uma pandemia não são válidas, mas sim declarações desnecessárias, concedidas por pessoas que pretendem causar dificuldades e pânico [...]".

    Para Vikulov, a OMS "é suficientemente capaz de lidar com situações sérias e ajudar os países que sofrem com o surto do coronavírus através de soluções eficientes, sistemas efetivos e do trabalho para encontrar uma vacina para conter o vírus".

    Para combater o COVID-19, um grupo de pesquisadores da Universidade de Tianjin, na China, diz ter desenvolvido uma vacina oral contra o coronavírus.

    De acordo com o professor e coordenador da pesquisa, Huang Jinhai, a vacina tem um nível muito alto de segurança, é fácil de usar e pode ser rapidamente produzida em grande escala.

    Durmanov citou que "todos os especialistas que estão trabalhando no desenvolvimento da vacina são altamente capacitados e possuem experiência adquirida durante outras epidemias, entretanto, uma vacina leva é tempo para ficar pronta, já que será preciso realizar testes em animais e em pessoas, bem como obter a permissão dos órgãos responsáveis antes de concluir o trabalho, que não levaria menos de seis meses".

    Enquanto uma vacina está sendo desenvolvida, algumas medidas podem ser tomadas para evitar o contágio, sendo uma delas muito simples, que é lavar as mãos com sabão, esfregando por no mínimo 2 segundos, após usar o banheiro, sempre que chegar a casa ou antes de manipular alimentos.

    Manter os ambientes limpos também é algo importante, além de não tocar a boca, o nariz ou os olhos antes de lavar as mãos, principalmente se estiver em locais públicos.

    Essas são algumas das medidas básicas e eficientes que podem ajudar a evitar o contágio do COVID-19, enquanto especialistas desenvolvem uma vacina para combatê-lo.

    Tema:
    Brasil enfrenta COVID-19 (234)

    Mais:

    Facebook proíbe anúncios relacionados ao coronavírus
    Rússia suspende comunicação aérea com Coreia do Sul por causa do coronavírus
    Polícia iraniana prende 24 por espalhar boatos sobre coronavírus na Internet
    Tags:
    COVID-19, Brasil, China, infecção, doença, coronavírus chinês, novo coronavírus, vírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar