06:21 03 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    #SputnikExplica
    URL curta
    542
    Nos siga no

    Após meses de cúpulas, as negociações entre os EUA e Coreia do Norte para um acordo de desnuclearização segue sem avançar. Um dos principais motivos que estariam dificultando o acordo seriam as exigências dos EUA sem oferecer nada em troca.

    Na segunda-feira (16), um enviado especial dos EUA se reuniu com o vice-ministro sul-coreano das Relações Exteriores, Cho Sei-young, e com o presidente Moon Jae-in em uma tentativa de salvar as negociações que não avançam desde fevereiro, quando o presidente norte-americano, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, não conseguiram chegar a um acordo, já que Trump não aceitou levantar as sanções impostas ao país asiático. A Sputnik faz uma retrospectiva das negociações e explica o que deve ocorrer na nova fase de tensões entre os dois países.

    Última cúpula e ultimato de Kim Jong-un para Donald Trump

    A última cúpula entre os dois países aconteceu em fevereiro em Hanói, no Vietnã. Entretanto, ela não obteve sucesso e voltou a fracassar.

    "A situação na Península Coreana e na região está em um impasse, e chegou ao ponto crítico em que pode retornar ao seu estado original, pois os EUA assumiram uma atitude unilateral de má-fé nas recentes negociações, durante a segunda reunião entre EUA e Coreia do Norte", afirmou o líder norte-coreano durante sua visita à Rússia, em abril deste ano.

    O tão discutido acordo visa a desnuclearização e normalização das relações diplomáticas entre os dois países. Em Hanói, Kim havia solicitado que Washington removesse algumas das sanções impostas contra a Coreia do Norte para que o acordo de desnuclearização e desmantelamento dos programas nucleares fossem adiante. Contudo, Trump negou tal solicitação.

    Com a recusa de Trump, Kim decidiu colocar um ultimato aos EUA, dando aos norte-americanos até o final do ano para abandonar "seu atual método de cálculo" em relação às negociações bilaterais e "corrigir sua postura".

    De acordo com Pyongyang, Washington tem até o final do ano para adotar uma "postura correta", e somente nesse caso a Coreia do Norte considerará uma terceira cúpula com Trump no futuro.

    Negociações na Suécia

    Em outubro, reuniões de trabalho foram realizadas na Suécia, com a presença do enviado norte-coreano Kim Myong Gil e do norte-americano Stephen Biegun, mas terminaram devido à "velha posição e atitude" norte-americana.

    Na ocasião, o vice-ministro das Relações Exteriores da Coreia do Norte, Ri Thae Song, encarregado das questões norte-americanas, teria acusado os negociadores dos EUA de repetirem as propostas realizadas anteriormente apenas para ganhar tempo.

    "O diálogo elogiado pelos EUA não representa nada e é apenas um truque para manter a Coreia do Norte presa ao diálogo usado no âmbito da situação política e das eleições nos EUA [...]", afirmou Ri.

    Retórica hostil da Coreia do Norte e resposta dos EUA

    A Coreia do Norte emitiu ao longo do último mês diversas declarações provocativas para alertar aos EUA sobre a retomada dos testes com mísseis e material nuclear, caso o prazo não seja cumprido pelos EUA, até o final do ano.

    "O que resta é uma opção dos Estados Unidos e cabe aos Estados Unidos escolher que presente de Natal podem receber", afirmou Kim em uma das suas declarações.

    Por sua vez, o secretário de Defesa norte-americano, Mark Esper, qualificou como "preocupantes" as últimas declarações da Coreia do Norte.

    Já Trump declarou que ficaria "desapontado" se a Coreia do Norte estiver "preparando algo" para marcar o fim do prazo estipulado por Pyongyang para a retomada das negociações com Washington.

    "Veremos. Eu ficaria desapontado se alguma coisa estiver sendo tramada. E se estiver, cuidaremos disso. Estamos observando [a situação] atentamente", afirmou Trump.

    Por outro lado, Esper acredita que a situação deve ser levada a sério, e por isso é preciso se sentarem e debaterem um acordo político para a desnuclearização da península.

    Países trabalham para amenizar situação

    Perante a situação complicada, a China solicitou ao Conselho de Segurança da ONU para apoiar uma proposta sino-russa com o objetivo de reduzir as sanções contra a Coreia do Norte, caso o país aceite um plano de desnuclearização.

    China e Rússia procuram uma solução para o impasse entre Coreia do Norte e EUA, sugerindo que os norte-americanos ajustem suas sanções de acordo com os passos dados pelos norte-coreanos em direção à desnuclearização.

    "A península coreana atravessa um período importante e sensível. A urgência de um acordo político aumentou ainda mais", afirmou Geng Shuang, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, ressaltando que a comunidade internacional deve impedir o aumento da tensão na península, bem como um confronto.

    Além da interrupção de diversas sanções econômicas, o documento enviado à ONU também sugere a suspensão da proibição de importação de carvão, ferro, minério de ferro e têxteis oriundos da Coreia do Norte, além do início do processo de desnuclearização.

    A situação pode ser resolvida?

    Depois de tantas conversações e cúpulas fracassadas, provavelmente a situação só será resolvida se ambas as partes estiverem dispostas a negociar e abrirem mão de suas exigências.

    Ou seja, as partes devem de fato negociar, e não apenas exigir. Dessa maneira, haverá a possibilidade de que uma terceira cúpula ocorra. Como Kim já deixou claro, ele só aceitará um acordo caso os EUA concordem em levantar algumas das sanções impostas e adotar uma postura correta, onde as duas partes contribuam para o bem de todos.

    Caso ambas as partes não estejam interessadas em mudar suas estratégias e abrir mão de algo, então, provavelmente será muito difícil chegar a uma resolução e o fortalecimento nuclear dos norte-coreanos deverá seguir adiante.

    Mais:

    Pentágono estaria 'preocupado' com retórica da Coreia do Norte
    EUA 'estreitam' laços com aliados após novo teste da Coreia do Norte
    Coreia do Norte vai desenvolver arma 'para controlar ameaça nuclear dos EUA'
    Tags:
    desnuclearização, acordo, equipamentos militares, arma nuclear, sanções, EUA, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar