17:24 24 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    #SputnikExplica
    URL curta
    12365
    Nos siga no

    Após Washington impor restrições à gigante de telecomunicações chinesa Huawei, Pequim se prepara para adotar um pacote de contramedidas, que incluíra a retirada de tecnologia norte-americana dos computadores do governo chinês.

    As restrições impostas pelos EUA impedem que as empresas norte-americanas vendam componentes à empresa chinesa, contudo, a Huawei segue se desenvolvendo e avançando no mercado, enquanto que o governo chinês retribui as restrições, que podem causar grandes prejuízos às empresas norte-americanas, e a Sputnik explica os detalhes e perspectivas resultantes da histeria norte-americana na "guerra fria tecnológica".

    Guerra comercial e avanço da Huawei

    EUA e China estão em tensão desde a campanha presidencial norte-americana de 2016, quando Donald Trump incluiu ameaças de medidas comerciais contra a China em seu discurso.

    As tensões aumentaram nos primeiros meses de 2018, quando Trump anunciou tarifas de importação a produtos chineses, onde as sobretaxas incidiram sobre US$ 60 bilhões (R$ 247 bilhões) em produtos chineses vendidos aos EUA.

    Como retaliação, a China também anunciou tarifas de importação, gerando uma série de ataques protecionistas mútuos, com objetivo de levar vantagem de um país sobre o outro no comércio internacional.

    Dentro desse cenário, a tecnologia virou alvo dos conflitos entre as duas grandes economias, criando uma "guerra fria tecnológica" entre os EUA e a Huawei, principal alvo de Trump, que incluiu a empresa chinesa na lista negra como uma forma de atingir e reter o desenvolvimento da gigante de telecomunicações da China.

    Contudo, boicotada pelos EUA, a Huawei decidiu avançar e produzir suas tecnologias e produtos sem componentes norte-americanos, adotando uma série de estratégias em resposta à ofensiva do governo de Trump.

    Com isso, a pressão de Trump falhou e desencadeou uma série de consequências para as empresas norte-americanas, e a principal delas é o grande prejuízo com que as empresas terão de arcar, já que elas serão privadas de utilizar os dispositivos chineses para coletar dados e vender publicidade em todo o mundo, além da queda de produção para os fabricantes de semicondutores nos EUA.

    Enquanto isso, a Huawei se fortalece, utilizando componentes de outros parceiros ou seus próprios, conquistando sua independência dos EUA em equipamentos de telecomunicação, como modems e estações-base utilizadas no desenvolvimento da infraestrutura responsável pela quinta geração de internet móvel, o 5G.

    Papel da Huawei nas desavenças entre EUA e China

    A "guerra fria tecnológica" criada pelos EUA contra a Huawei teria como justificação questões de segurança, já que o governo de Trump alega que a empresa chinesa estaria espionando os norte-americanos através dos equipamentos eletrônicos.

    Para piorar, em dezembro de 2018 Meng Wanzhou, diretora e filha do fundador da Huawei, foi presa pelas autoridades canadenses a mando dos EUA, que alegam que ela teria violado as sanções norte-americanas ao enviar equipamentos norte-americanos ao Irã.

    Logotipo da Huawei com bandeira chinesa em segundo plano
    © REUTERS / Dado Ruvic
    Logotipo da Huawei com bandeira chinesa em segundo plano

    O ato deu início a uma série de ataques diretos, que resultaram no conflito tecnológico entre EUA e China. Trump, sem perder tempo, ampliou sua histeria e atacou a Huawei, barrando o uso de seus produtos e de outras empresas chinesas nas agências governamentais dos EUA.

    "Acredito que a aquisição ou uso irrestrito nos EUA de tecnologias de informação e comunicação projetadas, desenvolvidas, manufaturadas ou fornecidas por adversários estrangeiros aumenta a habilidade de adversários estrangeiros de criar e explorar vulnerabilidades [...] com possíveis efeitos catastróficos, portanto, constitui uma ameaça extraordinária à segurança nacional, à política externa e à economia dos EUA", citou Trump em seu decreto.

    Em contrapartida, a China decretou medidas similares, proibindo tecnologias estrangeiras nos órgãos públicos do país. Além disso, o Ministério das Relações Exteriores da China questionou as suspeitas contra a Huawei, afirmando que os EUA estavam se utilizando de uma ferramenta política para agir na economia, e negou que a empresa chinesa seja uma ameaça à segurança nacional norte-americana.

    Conflitos e perspectivas em torno da tecnologia 5G

    O sinal de telefonia móvel de quinta geração, ou tecnologia 5G, é um dos principais alvos de conflitos entre EUA e China, isso porque o governo norte-americano segue pressionando diversos países com objetivo de impedir a crescente atuação de empresas chinesas em um mercado central para o desenvolvimento de novas tecnologias.

    O 5G deve ser utilizado em breve para recursos como drones, veículos autônomos, realidade aumentada e realidade virtual, que precisam de uma conexão robusta.

    Essa tecnologia já é operada nos EUA, Coreia do Sul e Uruguai. Por sua vez, a Huawei, Nokia e Ericsson dominam a infraestrutura da rede. Entretanto, é o papel da Huawei que está preocupando e causando reações do governo dos EUA.

    Criança brinca próxima ao logo da empresa Huawei, em Pequim (foto de arquivo)
    © AP Photo / Ng Han Guan
    Criança brinca próxima ao logo da empresa Huawei, em Pequim (foto de arquivo)

    A Casa Branca considera que a Huawei possa utilizar o 5G para capturar dados e entregá-los ao governo chinês, e por isso os norte-americanos tentam conter o avanço chinês, inclusive no Brasil, exercendo pressão contra os países interessados no serviço da empresa chinesa.

    Recentemente, o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, advertiu Portugal sobre o risco de ter a companhia chinesa Huawei operando a tecnologia 5G no país.

    "O Partido Comunista da China não vai hesitar em usar qualquer ferramenta que tenha nas mãos para reprimir seu próprio povo e outros ao redor do mundo", afirmou Mike Pompeo.

    Em resposta, o chanceler português, Augusto Santos Silva, garantiu que os processos para a operação do 5G no país vão defender a segurança nacional, mas não mencionou impedimentos à participação da Huawei.

    "A economia deve ser subordinada ao poder político, à ordem política democrática e aos nossos interesses de segurança nacional. E assim sucederá na área crítica das telecomunicações, designadamente na evolução para a quinta geração", disse o ministro.

    Apesar de toda a histeria e pressão dos EUA, a Huawei segue avançando, e nesta quinta-feira (12) obteve mais uma vitória, já que em conjunto com a Ericsson, fornecerá a tecnologia 5G à Alemanha.

    Huawei e Brasil

    A empresa chinesa Huawei deixa claro que está focada na implantação da tecnologia 5G no Brasil, depois que regressou oficialmente ao país em maio deste ano.

    Além da tecnologia 5G, a Huawei tem planos de comercializar novos modelos de smartphones e intensificar a participação de players brasileiros na App Gallery, através da Huawei Ability Gallery.

    Audiência com YaoWei, CEO Huawei do Brasil, com o presidente Jair Bolsonaro.
    © Foto / Marcos Corrêa/Divulgação/Palácio do Planalto
    Audiência com YaoWei, CEO Huawei do Brasil, com o presidente Jair Bolsonaro.

    Essa estratégia está presente em mais de 170 países e possui 15 centros de pesquisa na Ásia, Europa e América do Norte, afirmou Daniel Dias, gerente da Go-to-market da Huawei.

    "Entendemos que, para nos consolidarmos na segunda posição do ranking mundial de vendas de smartphones, seria novamente interessante atuar no Brasil [...] Trabalhamos para trazer ao mercado brasileiro o que o consumidor local tem buscado da Huawei no exterior", explica Dias ao InfoMoney.

    Recentemente, o presidente Jair Bolsonaro se reuniu com executivos da Huawei no Brasil, que confirmaram o desejo de participar da implantação do 5G no Brasil, inclusive demonstrando disposição para acelerar a construção da infraestrutura necessária no país.

    "Pretendemos continuar ampliando o portfólio de produtos no país por meio da estratégia '1+8+N', com foco no 5G para oferecer produtos que se interliguem nesse ecossistema", completa Daniel Dias, gerente da Go-to-market da Huawei.

    Mais:

    Brasileiros, Edward Snowden e Huawei: os destaques da Web Summit 2019 em Lisboa
    Sanções aceleram crescimento da Huawei e custarão caro aos gigantes tecnológicos dos EUA
    Alto executivo da Huawei revela quem serão os maiores beneficiados da tecnologia 5G
    Tags:
    guerra comercial, tecnologia 5G, tecnologias, tecnologia, Huawei, Brasil, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar