18:37 25 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Brasil é o pior colocado em ranking que mede o retorno dos impostos na forma de benefícios para a população

    Um tributo ao Brasil: por que o dinheiro que vai não volta para o povo?

    © Sputnik / George Ribeiro
    #SputnikExplica
    URL curta
    18221

    Apesar de ter uma das maiores cargas tributárias do mundo, o Brasil segue deixando a desejar no que diz respeito a transformar essa arrecadação em benefícios para a população. Afinal, há saída para isso? A Sputnik explica.

    Nesta quinta-feira, 30, milhares de estabelecimentos de diversas partes do país decidiram aderir ao Dia Livre de Impostos, criado em 2003 pela Câmara de Dirigentes Lojistas Jovem (CDL Jovem), com o intuito de deixar claro ao consumidor como a alta tributação afeta seu poder de compra. A lógica, segundo seus organizadores, é a de que "altos tributos sem retorno têm impacto ruim na vida das pessoas", tornam os produtos mais caros, gerando uma queda nas vendas do varejo, que passa a contratar menos funcionários. E, "sem emprego, as pessoas diminuem seus gastos e assim por diante, num ciclo".

    ​No último dia 24, o Brasil chegou a R$ 1 trilhão em arrecadação de tributos em 2019, segundo o Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), marca que, nos anos anteriores, só estava sendo alcançada nos meses de junho ou julho. Em 2018, a carga tributária equivaleu a 33,58% do Produto Interno Bruto (PIB), de acordo com o Tesouro Nacional, totalizando R$ 2,292 trilhões, R$ 155 bilhões a mais do que no ano anterior. Considerando os três últimos anos, o brasileiro trabalhou 459 dias só para pagar impostos.

    De acordo com o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), em um ranking de 30 países, o Brasil, com seus 63 tributos, é o 14º que mais arrecada impostos e o último que melhor retorna o dinheiro para a população. Em meio a esse cenário, o país se prepara para votar uma proposta de reforma tributária que pretende simplificar o sistema dentro de dez anos, mas sem reduzir a carga. De autoria do deputado Baleia Rossi (MDB-SP), a proposta (PEC 45/2019) acaba com três tributos federais, um estadual e um municipal, que incidem sobre o consumo, criando, em seu lugar, o Imposto sobre Operações com Bens e Serviços (IBS), de competência das três esferas, e um outro imposto, sobre bens e serviços específicos, de competência apenas federal. Ela foi aprovada recentemente pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara e segue agora para a comissão especial.

    Em um país onde de tudo o que é consumido, 33%, em média, são impostos, muitos brasileiros recorrem a vias ilegais para escapar da alta taxação, criando outro grande problema, a sonegação. E o grande vilão, nesse caso, são as empresas, cujo faturamento não declarado chega a R$ 2,17 trilhões por ano, com tributos sonegados somando R$ 390 bilhões anuais, segundo o IBPT. Ainda assim, o Instituto destaca que "com os novos sistemas de controles fiscais, o Brasil já possui o menor índice de sonegação empresarial da América Latina (17% do faturamento)" e, em três anos, esse "índice estará na média dos países desenvolvidos". Mas, atualmente, há indícios de sonegação em 49% das empresas de pequeno porte, 33% das empresas de médio porte e 18% das grandes empresas, com os valores mais significativos no setor industrial, seguido do comércio e prestação de serviços. Os tributos mais sonegados são ICMS, Imposto de Renda e CSLL. "Por atividade econômica, a sonegação de ICMS é maior no setor do comércio, seguido das empresas industriais e das prestadoras de serviços", informa o IBPT. 

    Por que o dinheiro não rende?

    Para Maurício Stainoff, presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo (FCDLESP), entidade que apoia o Dia Livre de Impostos, o grande problema no que diz respeito à baixa taxa de conversão dos tributos em benefícios para o povo é o fato de que, no Brasil, a maior parte da arrecadação, quase a totalidade, é destinada ao custeio da máquina pública. Segundo ele, sobra apenas algo em torno de 2% para investimentos estatais em desenvolvimento. 

    "A máquina pública é muito grande, a máquina pública é lenta, ela não produz, ela só consome recursos públicos. E, praticamente, o custo do Estado, ele toma toda a receita tributária do país", disse ele em entrevista à Sputnik Brasil. 

    Stainoff ressalta que quem paga o preço de toda essa tributação é o consumidor final, já que as empresas repassam os valores das taxas para os seus produtos. 

    "O que nós estamos fazendo no DLI (Dia Livre de Impostos)… demonstrando claramente para o consumidor quanto é o imposto. Então, na verdade, o DLI é uma grande promoção onde o desconto é a carga tributária. O lojista paga o imposto, ele não vai deixar de pagar, mas ele dá a carga tributária como desconto, como uma promoção." 

    Marcel Solimeo, economista da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), também considera o tamanho do Estado brasileiro um empecilho. Em declarações à Sputnik, ele afirma que esse "inchaço", representado pelos "gastos do governo com ele mesmo", impede que boa parte do que é arrecadado possa retornar para a sociedade. Além disso, também considera haver um grande desperdício nesse sistema, que arrecada de maneira centralizada, pela União, para, só em seguida, redistribuir parte do montante entre estados e municípios. 

    O especialista pondera que a alta carga tributária brasileira seria, obviamente, um problema menor se o dinheiro arrecadado fosse utilizado para trazer benefícios à sociedade. Hoje, segundo ele, os brasileiros pagam duplamente por muitos serviços, já que o que é dado na forma de impostos não traz o retorno esperado, forçando muitas pessoas a recorrerem a serviços privados.

    "Acho que é um primeiro passo simplificar. O segundo passo, tornar mais justa a tributação. E um terceiro passo é utilizar melhor os recursos arrecadados e descentralizar essa arrecadação, para que não tenha o passeio do dinheiro, que sempre acaba gerando desperdícios. E, depois, então, reduzir a carga tributária. Mas, para isso, o governo precisa, do outro lado, reduzir os gastos. Sem redução dos gastos, não vai ser possível reduzir a carga tributária", afirma. 

    Tanto Solimeo quanto Stainoff entendem que a situação atual do país, de crise, não permite uma redução imediata da carga de tributos pagos pela população, que, segundo eles, afetam de forma mais aguda justamente a parcela com menor poder aquisitivo. Para tentar reverter esse quadro ou torná-lo menos grave, eles defendem maior participação popular nas discussões e nas cobranças sobre o governo, no que se refere à gestão do dinheiro arrecadado através de impostos e também quanto ao inchaço da máquina pública. 

    "É como um condomínio. A gente paga o condomínio e fica sempre de olho no síndico, né? Por que se a gente não ficar de olho, pode gastar mal o dinheiro. A mesma coisa é em relação aos governos, a gente tem que pagar, mas tem que exigir que o dinheiro seja bem aplicado. É chamar a atenção da sociedade para isso. Da mesma forma que o Impostômetro, é procurar conscientizar a população de que ela é contribuinte. E, como contribuinte, tem direitos. Mas também tem a obrigação de fiscalizar como é usado o seu dinheiro", sublinha o economista da ACSP. 

    Também em entrevista à Sputnik, o coordenador Nacional da CDL Jovem, Lucas Pitta, também culpou o alto custo da máquina pública pela baixa taxa de retorno dos valores pagos pela população ao governo, destacando ainda a "ineficiência do Estado em fazer gestão" e o "alto índice de corrupção".

    "Aqui no Brasil, as mordomias que existem no setor publico não condizem com a realidade econômica mundial, rios de dinheiro são gastos com coisas supérfluas ao invés de serem devidamente investidos em serviços comuns para sociedade", disse ele.

    De acordo com Pitta, o país tem um potencial de crescimento muito alto e vários empresários acreditam que os recursos estão represados aguardando que as devidas reformas sejam aprovadas. Com elas, ele espera "uma diminuição do custo do Estado" e "uma simplificação do nosso complexo sistema tributário, trazendo benefícios coletivos para o empresário e para a população". Para o coordenador da CDL Jovem, a realidade observada em outros países de carga tributária elevada não se aplica ao Brasil:

    "Ao simplificarmos e reduzirmos a carga tributária, iremos atrair mais investimentos para o Brasil, aumentando assim a arrecadação no médio e longo prazos. Aliada à redução do custo da máquina pública, mais recursos irão sobrar para que sejam investidos na sociedade com serviços essenciais. Existem países onde a carga tributária é elevada e os serviços básicos à sociedade funcionam com eficiência. Mas, no Brasil, acreditamos que essa lógica não funciona. Portanto, somos a favor da redução da carga tributária para que o dinheiro fique nas mãos da população e assim eles possam fazer suas próprias escolhas." 

    A PEC 45/2019, aprovada no último dia 22 em sessão que julgou a admissibilidade constitucional da proposta, na CCJ, foi alvo de resistência apenas do PSOL, que decidiu obstruir a votação e se posicionar contrariamente ao texto. Embora partidos como PT, PDT e PSB tenham orientado votos a favor, alguns deputados da oposição fizeram ressalvas quanto ao mérito da proposta, dando sinais de que a mesma pode ter um caminho mais complicado na comissão especial. As principais críticas vão no sentido de entender que a PEC, no seu formato atual, não ataca a questão da desigualdade e da concentração de riquezas, focando apenas na taxação do consumo e não dos lucros e dividendos. 

    "Embora seja fundamental e prioritária uma reestruturação do modelo fiscal, a proposta em tramitação não ataca as distorções do nosso atual sistema e cria novas desigualdades. Lucros e dividendos, e grandes fortunas continuam isentos de tributação, por exemplo", afirmou a deputada federal Talíria Petrone (PSOL). 

    Mais:

    Comissão da Câmara aprova admissibilidade da proposta de reforma tributária
    Guedes promete reforma da Previdência em até 90 dias
    Em carta, Bolsonaro faz pedido a senadores para não alterar MP da reforma administrativa
    Após 1,5 ano de reforma trabalhista, relações de trabalho melhoraram no Brasil? (VÍDEO)
    Tags:
    tributos, taxas, contribuição, impostos, dinheiro, finanças, economia, Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo (FCDLESP), Câmara de Dirigentes Lojistas Jovem, Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), Associação Comercial de São Paulo (ACSP), CCJ, PSOL, Câmara dos Deputados, Lucas Pitta, Baleia Rossi, Maurício Stainoff, Marcel Solimeo, Talíria Petrone, Brasília, São Paulo, América Latina, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar