16:39 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Armas apreendidas pelo Poder Judiciário e pelas polícias Civil e Militar do Rio de Janeiro destruídas pelo Exército Brasileiro e o Conselho Nacional de Justiça (arquivo)

    Tiros e gritaria: Brasil está pronto para flexibilizar acesso a armas de fogo?

    © Foto : Tânia Rêgo/Agência Brasil
    #SputnikExplica
    URL curta
    29164

    Atendendo a pedidos da chamada Bancada da Bala em meio à possível eleição do presidenciável Jair Bolsonaro, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, anunciou a intenção de colocar em votação até o final de 2018 alguns pontos da flexibilização do Estatuto do Desarmamento, esquentando as discussões sobre o acesso a armas de fogo no país.

    Pouco antes do início desta Semana do Desarmamento (celebrada de 24 a 30 de outubro, segundo decisão das Nações Unidas), em reunião com integrantes da Frente Parlamentar da Segurança Pública na última terça-feira, no Rio de Janeiro, Maia (DEM-RJ) prometeu tratar ainda neste ano de uma agenda que muitos esperavam só ser discutida após o início de uma eventual administração de Jair Bolsonaro (PSL-RJ) no Palácio do Planalto. Líder nas pesquisas de intenção de votos para o segundo turno da corrida presidencial, o deputado federal e militar da reserva tem na defesa dos armamentos uma de suas principais propostas. 

    O Projeto de Lei 3722, que a Câmara deve considerar, é de autoria do deputado Rogério Peninha Mendonça, do MDB de Santa Catarina, e "disciplina as normas sobre aquisição, posse, porte e circulação de armas de fogo e munições, cominando penalidades e dando providências correlatas". Em tramitação desde 2012, o pacote a ser colocado em pauta deve incluir, segundo parlamentares citados pelo jornal O Globo, a retirada da exigência de que o cidadão comprove a necessidade de ter uma arma (conforme decisão atualmente concedida pela Polícia Federal), a autorização do porte de arma dentro dos limites das propriedades rurais e, por outro lado, a diminuição das atuais seis armas por cidadão para três.

    Com altas taxas de criminalidade e índices de mortes violentas intencionais que chegaram a 63.880 de acordo com o Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2018, o Brasil, apesar dos quase R$ 85 bilhões gastos com o setor só no último ano, vive uma crise na segurança pública que preocupa os mais diversos grupos da sociedade. Muitos temem que com um número maior de armas em circulação, os registros de mortes violentas aumentem ainda mais. 

    © Sputnik .
    Brasil está pronto para flexibilizar acesso a armas de fogo?
    Para o especialista Daniel Cerqueira, economista do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e conselheiro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, não há dúvidas de que o país deve esperar um crescimento dos crimes com uma possível revogação ou mudança substancial no Estatuto do Desarmamento durante o atual governo ou no próximo. Segundo ele, sem entrar no mérito do porte, a simples presença de uma arma dentro de casa já conspira contra a segurança da família. 

    "Várias pesquisas norte-americanas já evidenciaram que uma arma dentro de casa faz aumentar em cinco vezes a chance de alguém naquele domicílio sofrer homicídio ou suicídio. Isso sem falar nos acidentes fatais envolvendo crianças. Mais armas dentro das casas significa dizer que mais armas serão perdidas, extraviadas ou roubadas. Significa dizer que vai haver mais ofertas de armas no mercado legal de armas, fazendo com que o preço da arma diminua no mercado ilegal e fazendo com que o criminoso mais desorganizado tenha acesso a essa arma de fogo", disse o pesquisador à Sputnik Brasil, destacando que esse novo cenário aumentará a insegurança social, já que a arma, ao contrário do que alguns afirmam, é um instrumento de ataque, e não de defesa. 

    Cerqueira explica que uma pesquisa realizada em São Paulo revelou que um cidadão armado, quando é assaltado, tem um aumento de 56% na chance de ser executado. Por esse motivo, muitos policiais preferem andar desarmados quando estão de folga. 

    Outro problema apontado pelo especialista diz respeito à alegada falta de preparo de uma parte muito significativa da população para lidar com um instrumento tão perigoso quanto esse:

    "Você imagine em uma sociedade como a nossa, com as pessoas com ódio umas das outras, as pessoas que se envolvem em conflitos violentos, seja em briga de bar, seja em briga de trânsito, seja em briga de vizinhos ou até em questões passionais, todo mundo armado", argumentou. "Eu não tenho dúvidas de que será uma tragédia para o país."

    Apesar da existência do Estatuto do Desarmamento, lei federal sancionada pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva no final de 2003, várias medidas legais adotadas ao longo dos últimos anos já vêm permitindo uma certa flexibilização nas normas para posse e porte de armas no Brasil. Dados obtidos pelo Instituto Sou da Paz e reproduzidos pela Folha de S.Paulo mostram que, atualmente, cerca de seis armas são vendidas por hora no mercado nacional. Entre 2010 e 2017, o registro de novas armas para pessoas físicas saltou de 11.874 para 33.031. 

    Para Daniel Cerqueira, o que teremos com a possível aprovação de novas mudanças pelo legislativo, se levado adiante o pacote que está sendo considerado por Rodrigo Maia, será o fim dos "últimos elementos que iam na direção do controle da arma de fogo". 

    "Querem que qualquer cidadão com mais de 25 anos possa ter arma de fogo. Então, você, simplesmente, vai à polícia e haverá um registro basicamente automático, e você vai ter acesso à sua arma. Então, vai ser uma facilitação indiscriminada da arma de fogo em todo o território nacional."

    De opinião oposta à do pesquisador do Ipea, Fabricio Rebelo, coordenador do Centro de Pesquisa em Direito e Segurança (Cepedes), acredita que o Brasil está preparado, sim, para flexibilizar sua legislação de acesso às armas. Ele argumenta que o país possui um histórico de regulação que já passou pelas "duas formas de tratamento da relação do cidadão com as armas de fogo". Até 1997, eram quase inexistentes as restrições: o porte sem autorização não era considerado crime, era comum que os indivíduos circulassem armados apenas com o registro, que era por sua vez facultativo. E, nessa época, segundo ele, os índices de criminalidade não eram tão graves quanto os registrados hoje, após as medidas de controle adotadas. 

    "A realidade brasileira no momento de maior flexibilidade no acesso do cidadão às armas de fogo era uma realidade de muito maior segurança se comparada à realidade atual", afirmou o analista à Sputnik Brasil. "Justamente após o recrudescimento das exigências para que o indivíduo tenha acesso a esses artefatos, praticamente inviabilizando isso e dificultando muito até mesmo a posse, nossos indicadores criminais pioraram muito". 

    Rebatendo a ideia defendida por muitos de que o armamento maior dos chamados cidadãos de bem poderia implicar em um número maior de armas nas mãos de criminosos, Rebelo diz que não há estudos capazes de comprovar essa teoria. Ao contrário, os levantamentos existentes no país sobre a apreensão de armas mostram que a maioria desses artefatos nunca entrou em circulação legal no país. Como exemplo, ele cita o último anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, que indica que quase 95% das armas apreendidas em 2017 não foram cadastradas no sistema da Polícia Federal. Além disso, de acordo com ele, a ideia de que os bandidos teriam uma certa vantagem em relação ao cidadão armado para se defender não pode ser tomada como regra. 

    "[...] Todas aquelas ocorrências em que o indivíduo consegue se desvencilhar de uma investida criminosa ou disparando uma arma sem que o tiro atinja o criminoso ou apenas com a presença da arma não entram em contabilização absolutamente nenhuma. Então, não se pode estimar a quantidade de vezes em que uma arma é utilizada eficazmente para desconstituir uma agressão", disse ele, acrescentando que também quando se fala em permitir ao cidadão o acesso às armas de fogo, isso está associado a uma capacitação do cidadão. "Não se fala em distribuir armas aleatoriamente para a população. Isso é absurdo." 

    Mais:

    Maior parte da população dos EUA acredita que ter armas de fogo aumenta a segurança
    O tamanho importa: conheça as melhores armas de fogo de grande calibre
    Vai virar faroeste? Armas de fogo ficarão mais baratas para policiais de folga no Rio
    Protesto no Rio: PM usa armas de fogo contra manifestantes
    Pesquisa comprova: armas de fogo matam 2,6 vezes mais negros que brancos
    Tags:
    Estatuto do Desarmamento, segurança pública, defesa, violência, armas, armamentos, segurança, Semana do Desarmamento, Cepedes, Fórum Brasileiro de Segurança Pública, IPEA, Fabricio Rebelo, Daniel Cerqueira, Jair Bolsonaro, Rodrigo Maia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik