02:17 19 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Polícia vigia a área da 8ª Cúpula das Américas, em Lima, Peru, em 11 de abril de 2018

    Trump pôs fim lógico ao projeto pan-americano recusando ir ao Peru?

    © REUTERS / Ivan Alvarado
    #SputnikExplica
    URL curta
    20352

    Ao longo das últimas décadas, a América Latina tem sido uma região que sempre se inclinou para a unidade com o fim de fazer frente a influência externa, nomeadamente dos EUA. Contudo, os acontecimentos mais recentes demonstram que a situação mudou. A Sputnik explica de que maneira e analisa qual poderia ser o futuro da integração latino-americana.

    Esta 8ª Cúpula das Américas, que decorrerá a partir de amanhã (13) na cidade peruana de Lima, será a primeira marcada pela ausência do líder venezuelano e, o que é ainda mais importante, do norte-americano.

    Após os relatos sobre um suposto ataque químico na cidade síria de Douma, Donald Trump se apressou a prometer uma "retaliação" nos próximos dois dias, cancelando mesmo sua planejada viagem à América Latina para se focar no curso dos acontecimentos no Oriente Médio. Isso poderia parecer apenas uma mudança rotineira na agenda, contudo, faz vir à tona tendências muito mais sérias e profundas.

    De um quintal para outro?

    Em sua essência, a Cúpula das Américas foi criada como uma plataforma no âmbito da Organização dos Estados Americanos (OEA), a mais velha estrutura de integração no continente com influência predominante dos EUA.

    A crise desta estrutura, de fato, começou a ser observada já no início do corrente século, com o aparecimento de inúmeros grupos regionais, porém, esta é a primeira vez que o próprio Washington demonstra abertamente que os assuntos latino-americanos deixaram de ser sua prioridade.

    Embora muitos considerem a participação das cúpulas internacionais como um gesto meramente simbólico e que na realidade nada muda, isto não é totalmente correto.

    Apesar do mundo estar se digitalizando a ritmos enormes, o planeta da política e diplomacia continua vivendo de acordo com suas próprias regras, e tais casos como o envio de uma delegação de nível inferior a um evento internacional já se entende como a manifestação de alguma coisa.

    Deste modo, a Casa Branca está aludindo que deixou de considerar, evidentemente, a América Latina como seu quintal e se esforçando em se focar mais nos assuntos do Oriente Médio, região onde recentemente começaram a perder seu peso para Moscou. Nesta "agonia" de uma espécie de fracasso da sua política externa em várias regiões, os Estados Unidos tiveram que optar por uma só prioridade, e esta acabou por não favorecer as nações latino-americanas.

    Opiniões divididas

    Já entre os países da América do Sul houve tanto quem se tenha entusiasmado com a notícia, como quem tenha ficado indignado ou mesmo zangado. No entanto, quem se destacou de modo mais expressivo das "fileiras" foi o líder venezuelano, Nicolás Maduro, que qualificou a participação da Cúpula das Américas como uma "perda de tempo", preferindo comemorar a "derrota do golpe de Estado fascista" de 2002 contra o então presidente Hugo Chávez.

    Para as autoridades venezuelanas, que continuam sendo representantes da esquerda latino-americana, hoje em dia cada vez mais escassa, a recusa de Trump foi uma manifestação de desprezo. Os movimentos do mesmo tipo em vários outros países, como o Partido Comunista do Peru, por exemplo, também se entusiasmaram com a notícia, dizendo que "a América Latina não gosta de você [Donald Trump] e você faz bem em não ir ao Peru, pois nós não queremos te ver".

    Mas, se afastando um pouco dos lemas populistas e ideologias, se deve entender que para a maioria dos Estados da região a gradual saída estadunidense deste "quintal" é uma perda significativa, pelo menos do lado econômico. Tais cúpulas proporcionam sempre algumas oportunidades inéditas para a discussão de futuros laços e acordos, que hoje em dia são essenciais para vários Estados latino-americanos devido a sua situação econômica precária.

    Contudo, como a natureza tem horror ao vazio, já podemos indicar quem poderia, em um futuro breve, substituir Washington como o maior investidor na América do Sul.

    Aparentemente, se trata da China, que tem aumentado extremamente seu peso na região através de um enorme fluxo de investimentos nas produções locais. A notícia boa para o continente é que, ao contrário da Casa Branca, Pequim tem pouca inclinação para se meter na política interna dos seus parceiros, estando mais interessado no poderio econômico.

    Vale ressaltar, na verdade, que por parte da administração de Trump, por mais importante que seja para ela o problema sírio, este foi um erro estratégico bem sério, pois recentemente o próprio país tem se envolvido na chamada guerra comercial com a China. Em meio a esta confrontação tarifária, abandonar suas posições em outras regiões, tanto mais assim tão próximas, pode ser bastante perigoso, advertem muitos cientistas políticos.

    Integração fracassada?

    Resumindo todos os fatores mencionados acima, se pode dizer que o projeto pan-americano, promovido por Washington ao longo de muitas décadas, parece estar em crise. A mesma coisa, contudo, pode ser dita sobre os numerosos agrupamentos regionais que, na maioria das vezes, foram criados por mera necessidade de dar uma resposta à influência norte-americana.

    Entre tais blocos se pode mencionar a UNASUR, a ALBA e a CELAC, além de outros ideologicamente mais neutrais. Todas estas organizações surgiram, predominantemente, no início do século XXI, com a ascensão da esquerda na América Latina, e serviram mais como uma plataforma de manifestação política que como um mecanismo viável de cooperação econômica.

    Hoje em dia, quase todos estes agrupamentos, por serem tão dispersos, de fato não funcionam, o que, por sua vez, se deve a vários fatores. Um deles é a mudança de governo em muitos países, ou seja, a chamada "virada à direita", que está muito menos disposta a declarar a fraternidade latino-americana como sua prioridade e costuma se basear em princípios de pragmatismo e individualismo.

    Ademais, se deve notar que o período atual é muito menos propício que os anos 2000 para os processos ativos de integração. Naquela época, muitos países, inclusive o Brasil, estavam vivendo uma revitalização na sua economia, crescendo a ritmos significativos e desenvolvendo novas produções. Já hoje, a vulnerabilidade política e econômica, o risco dos chamados "golpes suaves", inflação, queda dos preços para commodities, contradições internas — tudo isso não contribui nada para a integração regional, pois os Estados estão mergulhados demais em seus próprios problemas.

    Entretanto, caso a Casa Branca realmente deixe de priorizar sua influência política na América Latina (o que ainda parece uma hipótese pouco provável), esta seria uma boa oportunidade para os governos que por muito tempo se esforçaram pela independência e união dentro do continente — somando isso tudo ao investimento chinês cada vez maior — terem uma chance de crescer.

    Tags:
    integração regional, cúpula, Cúpula das Américas, ALCA, Organização dos Estados Americanos (OEA), Alba, CELAC, Donald Trump, Nicolás Maduro, Venezuela, Peru, América Latina, EUA, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik