11:50 20 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Temer e Meirelles se encontram com líderes empresariais em Brasília

    Brasil vai em peso a Davos: o que Temer quer provar para a elite econômica internacional?

    Beto Barata/PR
    #SputnikExplica
    URL curta
    23416
    Nos siga no

    Após 4 anos sem a participação de um chefe de Estado brasileiro no Fórum Econômico Mundial, o presidente Michel Temer desembarcará em Davos no dia 23 de janeiro na esperança de promover uma imagem positiva da economia brasileira e atrair investimentos para o país em meio a incertezas e exigências de garantias por parte de investidores.

    O Brasil será protagonista de um dos debates do fórum com o tema “Moldando a nova narrativa do Brasil". De olho nas eleições presidenciais do Brasil em 2018, a organização questiona: “Quais são as principais conquistas atuais e qual visão têm líderes regionais e globais para o Brasil no futuro?”. Enquanto Temer e sua equipe pretendem projetar um Brasil em crescimento, a dificuldade de aprovar a reforma da Previdência e a incerteza diante das eleições presidenciais embaralham os planos da delegação brasileira. 

    A Sputnik Brasil faz uma análise sobre os objetivos e desafios do governo Temer diante da elite da economia mundial em Davos, que contará com a participação da autoridade máxima brasileira pela primeira vez em 4 anos. 

    Vendendo o 'novo Brasil'

    Acompanhado da maior delegação brasileira nos últimos anos em Davos, Michel Temer discursará para CEOs e líderes mundiais em 24 de janeiro, buscando convencer os investidores sobre a recuperação da economia brasileira. De acordo com fontes em Genebra, citadas pelo Estadão, há uma demanda do empresariado por medidas concretas e garantias de reformas estruturais do governo Temer

    O professor de economia da Universidade de São Paulo (USP), Simon Silbert, disse em entrevista à Sputnik que o Brasil vai a Davos apresentar uma imagem mais "cosmopolita" de inserção no mercado internacional.

    "É um jogo de sinais para o mundo que o Brasil ficou com uma visão mais cosmopolita de participação no processo de mudanças que estão acontecendo no mundo, de negociação, de aproximação com outros países. E mostrar também que o país mudou do ponto de vista da política macro-econômica. Há uma trajetória mais consistente, [o Brasil] não é nesse instante considerado um país altamente arriscado ou mal gerenciado, embora tenha tido uma queda na classificação da agência S&P’s", disse o especialista. 

    "O Brasil está querendo participar mais ativamente nos fluxos comerciais, financeiros, e entender melhor toda a discussão que está ocorrendo no mundo, já que esteve até o começo de 2016 muito fora deste debate, com uma visão muito particular", acrescenta Silbert.

    Executivos de grandes empresas internacionais já manifestaram aos organizadores que vão exigir do governo brasileiro respostas concretas em Davos sobre as reformas estruturais no país, mas o rebaixamento do Brasil pela agência de classificação de riscos Standard & Poor’s e a incerteza diante do julgamento de Lula deixam incerto o êxito de Temer no Fórum.  

    A reforma da Previdência e a classificação de risco

    No último dia 11 de janeiro, a agência de classificação de riscos Standard & Poor’s rebaixou a nota do Brasil de BB para BB-. Com o novo índice, o país fica três níveis abaixo do grau de investimento, podendo alterar a nota em pelo menos seis meses. 

    De acordo com a agência de classificação de risco, "o Brasil fez progresso mais lento que o esperado" na implementação de reformas para reduzir os riscos fiscais.  

    O Ministério da Fazenda, por sua vez, divulgou uma nota afirmando que a classificação de risco pode ser alterada com a aprovação da reforma da Previdência. No entanto, há uma forte resistência por parte da população e parlamentares para aprovar a reforma da Previdência, e o ano eleitoral torna muito mais difícil a aprovação de uma reforma impopular com essa, de acordo com analistas. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), chegou a afirmar na última terça-feira (16) que será difícil aprovar a reforma da Previdência este ano pela falta de votos necessários.

    Incerteza eleitoral

    Curiosamente, o julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está marcado para o dia 24 de janeiro, mesmo dia do discurso de Temer em Davos. A ofensiva do Palácio do Planalto diante do mercado internacional foi estrategicamente agendada para acontecer antes do fim do julgamento de Lula, em Porto Alegre. 

    Considerado como um fator chave para definir as eleições presidenciais de 2018, o resultado do julgamento de Lula pode colocar em xeque a capacidade do governo Temer de promover a agenda de reformas no Brasil, gerando incertezas ao setor empresarial internacional. 

    O presidente do Fórum, Borge Brende, chegou a manifestar suspeitas em relação à interferência do resultado do julgamento de Lula na retomada do crescimento brasileiro. "É uma incógnita. Vamos ver", afirmou Borge.

    Pode-se esperar, portanto, que a reforçada equipe de Temer no Fórum Econômico Mundial aproveite o holofote do mercado internacional para chamar a atenção para a necessidade de passar as reformas promovidas pelo Palácio do Planalto e convencer os investidores de que há um "novo Brasil" em crescimento. A investida, entretanto, pode fracassar diante baixa da probabilidade do governo conseguir passar a reforma da Previdência. 

    Mais:

    Para marcar posição contra Trump, Merkel pretende se juntar a Macron em Fórum de Davos
    Donald Trump estará no Fórum Econômico Mundial, em Davos
    Ministro Marcos Pereira pede demissão do governo de Michel Temer
    Temer facilita privatização da Eletrobras
    Temer reajusta salário mínimo abaixo do esperado
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar