03:03 15 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Marcelo Odebrecht

    Empreiteiras gigantes confessaram crimes bilionários em sete estados e no DF

    © AFP 2019 / Heuler Andrey
    #SputnikExplica
    URL curta
    1752
    Nos siga no

    No meio do caminho tinha um cartel. Tinha um cartel no meio do caminho.

    Duas gigantes da engenharia nacional assinaram acordos de leniência com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) nesta semana. Elas confessaram a formação de cartéis para fraudar licitações de obras viárias em São Paulo e na construção de metrôs em sete estados e no Distrito Federal.

    Ou seja, as empresas faziam acordos ilegais de combinação de preços e resultados de licitações para evitar a concorrência.

    Os acordos fazem parte das investigações da Operação Lava Jato e mostram crimes bilionários que afetaram o transporte público de mais de 25 milhões de brasileiros. A Sputnik explica quem são os envolvidos, os crimes praticados e os seus significados.

    O que é um acordo de leniência?

    O acordo de leniência é a delação premiada das empresas. Em troca de benefícios como a capacidade de poder seguir firmando acordos com o poder público, as empresas confessam crimes e ajudam as investigações.

    Quais são as empresas que confessaram crimes?

    Os acordos de leniência divulgados nesta semana foram assinados por duas líderes do mercado no Brasil:

    Odebrecht: Fundada em 1944, em Salvador, Bahia, é tida como a maior empreiteira do Brasil. Opera desde o setor de engenharia pesada até o de defesa e tecnologia. Com atividades em 16 países, foi a responsável por obras como Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro, Galeão, a Usina Nuclear de Angra dos Reis, e o metrô de Caracas, na Venezuela. Em 2015, o grupo da empreiteira faturou R$ 532,5 bilhões.

    A Odebrecht está nos holofotes do mundo político nos últimos anos com a delação premiada de seus dirigentes, que relataram pagamentos de propinas e corrupção nas mais variadas esferas de poder.

    O herdeiro do conglomerado, Marcelo Odebrecht, acaba de voltar para sua mansão em São Paulo para cumprir prisão domiciliar após passar dois anos e meio em regime fechado.

    Camargo Corrêa: com braços nas áreas de cimento, mobilidade urbana, engenharia e construção, incorporação imobiliária, têxtil e indústria naval, é uma companhia controlada pela família Camargo. Foi fundada em 1939, na capital paulista.

    Em 2015, a Camargo Corrêa operou em 16 países, empregou cerca de 27 mil funcionários e teve uma receita líquida consolidada de R$ 21,5 bilhões.

    Em seus acordos com a justiça, as duas empreiteiras entregaram outras gigantes do setor, como OAS, Andrade Gutierrez e Queiroz Galvão — além de outras empresas de pequeno e médio porte.

    O que aconteceu?

    O Odebrecht confessou ter feito parte de um esquema de cartel para fraudar licitações do Rodoanel, em São Paulo, e outras obras viárias da capital paulista. Com a participação de pelo menos 22 empresas, o acordo funcionou de 2004 a 2015.

    O grupo tinha a "tabela amor", com os preços ofertados às autoridades nas licitações, já combinados, e a "tabela briga", com os preços que as empreiteiras realmente conseguiriam ofertar, caso houvesse uma concorrência real e não um cartel.

    Quando o acordo rendia frutos, os representantes das empreiteiras comemoravam em locais de luxo em São Paulo, como o restaurante italiano Piselli.

    Já a Camargo Corrêa admitiu ter formado o Tatu Tênis Clube para fraudar licitações em obras de metrôs e transportes sobre trilhos em 7 estados e no Distrito Federal. Também faziam parte do cartel Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão, OAS e Odebrecht.

    O nome do grupo é uma referência ao tatuzão, ferramenta utilizada para escavação dos túneis para metrô.

    Outras empreiteiras de médio e pequeno porte, como a Carioca Engenharia e a Mendes Júnior, participavam do esquema. Para eliminar a competição, elas acertavam com as gigantes e diretoras do Tatu Tênis Clube que não iriam concorrer nas licitações sob a promessa de serem subcontratadas nas futuras obras.

    Operando de 1998 a 2014, as obras nos estados da Bahia, Ceará, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo, além do Distrito Federal, foram afetadas.

    O que isso significa?

    O historiador e professor da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) Pedro Campos é um estudioso do processo de formação das empreiteiras nacionais. Em sua tese de doutorado, Campos estudou como as grandes empresas de engenharia se consolidaram e formaram um pequeno e seleto grupo durante a ditadura civil-militar (1964-1985). Ele explica que a prática de cartel não é uma novidade:

    "É muito comum essas empresas arranjarem previamente o resultado das licitações, elas tentam combinar muitas vezes o resultado das concorrências para evitar a redução do custo da obra, para elas não terem baixos lucros ou prejuízos. Existe uma estrutura altamente cartelizada no setor de obras públicas, isso não é recente, não é uma criação dos últimos 15 anos, é algo que remonta à própria formação do setor. Eu verifiquei indícios de cartel antes, durante e depois da ditadura. Isso já tem algumas décadas de história."

    Campos também afirma que a ação de subcontratar empresas de menor porte é uma prática recorrente.

    "Quem conhece um pouco do setor de obras públicas no Brasil sabe que algumas poucas grandes dominam as principais obras e as retalham repassando para as médias, pequenas e até grandes empreiteiras fazerem algumas partes".

    Para o professor da UFRRJ, "as empreiteiras são especialistas em ganhar dinheiro do Estado".

    São Paulo

    A cientista política Daniela Costanzo estudou em sua tese de mestrado na Universidade de São Paulo a história das relações público-privadas no metrô da capital paulista. Segundo Daniela, o período em a Camargo Corrêa admitiu ter formado um cartel para fraudar as licitações coincide com mudanças na estrutura da Companhia do Metropolitano de São Paulo — estatal responsável pelo metrô.

    "Antes, os gerentes tinham muito poder de decisão e a discussão era feita com uma equipe técnica muito forte. Eles tomavam as decisões e discutiam os projetos. A partir de 1999, quando ocorre um plano de demissões voluntárias muito grande, as decisões passam a serem tomadas somente pelos diretores, ocorre um insulamento político dos diretores. Os gerentes e o corpo técnico perdem espaço na companhia. Junto com isso vem a ideia de privatizar cada vez mais, de conseguir parceiros privados para financiar as linhas. Há esse paralelo e não dá para saber internamente o que acontece em relação ao cartel, mas dá pra saber que isso acontece ao mesmo tempo e não é a toa."

    No período em que a Camargo Corrêa afirmou ter formado um cartel, o Estado de São Paulo foi governado por Mário Covas (1995-2001), Geraldo Alckmin (2001-2006), Cláudio Lembo (2006-2007), José Serra (2007-2010), Alberto Goldman (2010-2011) e, novamente Geraldo Alckmin, que assume em 2011 e é o atual governador. Todos os governadores são do PSDB.

    O metrô de São Paulo atende 4 milhões de passageiros por dia.

    Mais:

    Janot: indicados por Temer, Dodge e Segóvia atuam para barrar apurações de Lava Jato
    Diretor da PF indicado por Temer revela data para o fim das investigações da Lava Jato
    Moro diz que Lava Jato está perto do fim, descarta política e detona ditadura militar
    Lava Jato mortal: Ex-presidente de estatal PetroVietnam condenado à morte por corrupção
    O filme da Lava Jato é uma 'tentativa de descredibilizar o ex-presidente Lula'?
    Filme da Lava Jato teve fraca recepção nos cinemas e até mesmo na internet
    Tags:
    CADE, Camargo Corrêa, Lava Jato, Odebrecht, Marcelo Odebrecht
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar