02:24 25 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Ex-presidente do Brasil Dilma Rousseff anda de bicicleta perto do Palácio da Alvorada, Brasília, Brasil, 3 de setembro de 2016

    Saída de Dilma poderá significar uma nova era na América Latina

    © AFP 2019 / EVARISTO SA
    #SputnikExplica
    URL curta
    2102

    Recentemente, a América Latina passou por uma série de mudanças ligadas à transformação da sua orientação política. Aos poucos, os governos de esquerda se tornam uma realidade do passado. A Sputnik tenta analisar o que poderão significar estas mudanças para o futuro do continente latino-americano.

    Por que é que dizemos que estas mudanças estão decorrendo perante os nossos olhos? 

    Primeiramente, as presidenciais na Argentina levaram à vitória do candidato do partido conservador Proposta Republicana, Maurício Macri. Na Venezuela, nas eleições para a Assembleia Nacional, o partido oposicionista Mesa da Unidade Democrática teve a maioria. No Brasil algum acaba de ser decidido o impeachment da presidente (já ex-presidente) Dilma Rousseff. O establishment político da América Latina alterou-se,  continua se alterando e, sem dúvida, a sua política mudará. Vamos considerar algumas áreas que verão maiores mudanças.

    Economia

    Primeiramente, há que dizer que os governos de esquerda em certos casos promoveram uma política populista, o que levou a problemas econômicos, como aconteceu, por exemplo, na Argentina. Agora, os novos governos terão que rever os antigos conceitos econômicos e aplicar novas medidas. Na opinião do analista político russo Aleksei Fenenko, o retorno dos políticos de direita significa o regresso à ideia de privatizações e de liberalização parcial da economia. É possível que os novos governos recorram aos mecanismos de financiamento através do Fundo Monetário Internacional (FMI) ou Banco Mundial. Além disso, afirmou Fenenko, as corporações transnacionais podem reiniciar a extração de recursos nestes países.

    Quanto à situação econômica interna, os governos de direita reduzirão as despesas sociais que eram uma caraterística-chave das políticas de esquerda. Por exemplo, o governo de Macri já cortou subsídios até valores mínimos. 

    Blocos de integração

    Nos anos 2000, quando a esquerda latino-americana era bastante forte, o Brasil, a Venezuela e outros países da América Latina conseguiram evitar a criação da chamada Área de Livre de Comércio das Américas (ALCA) sob a liderança tácita dos EUA. Os maiores êxitos integracionistas na América Latina dos últimos 20 anos foram o MERCOSUL, a União de Nações Sul-Americanas (UNASUL) e a CELAC, que são blocos criados, além de outras coisas, para se opor à influência dos EUA. É pouco provável que estes blocos deixem de ser uma força regional. Entretanto, o MERCOSUL já está no meio de uma crise, que os países não se apressam a resolver. A Aliança do Pacífico, que não incorpora os maiores países da região – o Brasil e a Argentina – possui um potencial que ultrapassa o do MERCOSUL e UNASUL. Pelos vistos, estes blocos sob a liderança de novos governos irão desenvolver os laços com os EUA.

    Cooperação com atores externos

    A saída dos políticos da esquerda do palco político latino-americano significa novas perspectivas para os EUA. Agora os Estados Unidos tentarão recuperar as posições que perderam durante os governos latino-americanos de esquerda. Ao mesmo tempo, Fenenko afirma que o Brasil e a Argentina nunca serão satélites dos EUA por causa do tamanho de suas economias e da sua influência. O objetivo principal dos EUA será sempre manter estes dois países separados um do outro, evitando que se aliem.

    Quando os governos de esquerda estavam no poder, a China reforçou as suas posições nos mercados dos países latino-americanos e consolidou-se como o maior credor da região. Agora, os EUA tentarão expulsá-la da região. A Rússia, que frequentemente gozava de apoio latino-americano em um leque de assuntos de política externa, também está em uma situação perigosa, diz o especialista russo em assuntos da América Latina, Pyotr Yakovlev. Há pouco, quando as sanções contra Moscou foram introduzidas, os países latino-americanos acordaram entrar no mercado russo. Agora não há garantias de que, em uma situação parecida, a América Latina seja unânime no seu desejo de ajudar. Yakovlev afirmou que Washington tem o que não possuem os seus adversários – a Rússia e a China – e que pode interessar a América Latina: altas tecnologias. Tudo isso permitirá aos EUA atingir o seu desejo de há muito – ter acesso aos recursos dos seus vizinhos mais próximos.

    Mais:

    Temer embarca de volta ao Brasil, após participar da cúpula do G20 na China
    Anúncio oficial do G20 omite nome e cargo de Temer
    São Paulo tem grande protesto contra o governo Temer
    Temer participou da reunião dos BRICS e falou em reconstrução do caminho do crescimento
    Na China, Temer diz que não há crise na base aliada e que caso de Dilma agora é na Justiça
    Tags:
    direita, governos de esquerda, partidos, impeachment, Dilma Rousseff, América Latina, Argentina, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar