21:10 29 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de março de 2021 (94)
    0 41
    Nos siga no

    Não é realista pensar que o mundo estará livre da pandemia de COVID-19 até o fim de 2021.

    Quem deu a notícia nesta segunda-feira (1º) foi o diretor de emergências da Organização Mundial da Saúde (OMS), Michael Ryan. Segundo ele, o que é possível fazer é diminuir a tragédia, reduzindo casos de hospitalização e mortes.

    "Será muito prematuro, e acho irreal, pensar que vamos acabar com este vírus até o final do ano. Mas acho que, se formos inteligentes, podemos acabar com as hospitalizações, as mortes e a tragédia associadas a esta pandemia", afirmou Ryan, durante coletiva de imprensa realizada pela OMS nesta segunda-feira (1º).

    O número global de novos casos positivos para o novo coronavírus aumentou na semana passada, após seis semanas consecutivas de declínio. Segundo o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, as maiores escaladas aconteceram na Europa, nas Américas, no sudeste da Ásia e no leste do Mediterrâneo.

    "Isso é decepcionante, mas não surpreendente. Parte disso parece ser devido ao relaxamento das medidas de saúde pública, à circulação contínua de variantes e às pessoas baixando a guarda. As vacinas ajudarão a salvar vidas, mas se os países dependerem apenas das vacinas, estarão cometendo um erro. Medidas básicas de saúde pública continuam sendo a base da resposta", disse Adhanom Ghebreyesus.

    Maria Van Kerkhove, a líder técnica de combate à COVID-19 da OMS, acrescentou: "Se a semana passada nos diz alguma coisa, é que este vírus vai se recuperar se permitirmos - e não podemos permitir".

    Empregados descarregam caixas com a vacina da AstraZeneca/Oxford, com o país recebendo seu primeiro lote de vacinas da aliança COVAX, Aeroporto Internacional de Acra, Gana, 24 de fevereiro de 2021
    © REUTERS / Francis Kokoroko
    Empregados descarregam caixas com a vacina da AstraZeneca/Oxford, com o país recebendo seu primeiro lote de vacinas da aliança COVAX, Aeroporto Internacional de Acra, Gana, 24 de fevereiro de 2021

    O desejo da OMS é ver a vacinação contra a COVID-19 em andamento em todos os países nos primeiros 100 dias de 2021 – o que significa que faltam 40 dias para o fim do prazo.

    Nesta segunda-feira (1º), foram administradas as primeiras doses de injeções distribuídas pelo consórcio COVAX, em Gana e na Costa do Marfim.

    Outras 11 milhões de vacinas do COVAX serão entregues aos países esta semana. O detalhamento final da alocação para a primeira entrega de doses da COVAX será divulgado na quarta-feira (3).

    A previsão é de que o COVAX entregue 237 milhões de doses no total, a serem alocadas para 142 países participantes do consórcio até o final de maio.

    Tema:
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de março de 2021 (94)

    Mais:

    OMS alerta Espanha sobre relaxamento das medidas para conter o novo coronavírus
    China se recusa a fornecer à OMS dados sobre primeiros casos da COVID-19, reporta mídia americana
    Equipe da OMS desmente mídia dos EUA após reportagens sobre a investigação das origens do vírus
    COVID-19 pode ter sido mais ampla em dezembro de 2019 do que se pensava, diz OMS
    Texugos e coelhos podem ter sido os primeiros vetores da COVID-19 na China, diz OMS
    Tags:
    COVAX Facility, vacina, pandemia, novo coronavírus, COVID-19, Organização Mundial da Saúde, OMS
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar