11:28 05 Março 2021
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    Situação mundial da COVID-19 no início de fevereiro de 2021 (80)
    120
    Nos siga no

    O nacionalismo da vacina COVID-19 é prejudicial para todos, disse o diretor geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, nesta terça-feira (2).

    Ele também disse que a fraca cooperação entre as nações é uma grande barreira para se conseguir a vacinação mundial na escala necessária para acabar com a pandemia do coronavírus.

    Logo da vacina russa contra COVID-19, Sputnik V, em laboratório da União Química que produz o imunizante em Brasília, 25 de janeiro de 2021
    © AP Photo / Eraldo Peres
    Logo da vacina russa contra COVID-19, Sputnik V, em laboratório da União Química que produz o imunizante em Brasília, 25 de janeiro de 2021

    "Apesar do número crescente de opções de vacinas, a capacidade de fabricação atual atende apenas uma fração da necessidade global", disse o diretor geral da OMS, em um artigo publicado na revista Foreign Policy.

    "Deixar que a maioria da população mundial não seja vacinada não apenas perpetuará doenças desnecessárias, mortes e o incômodo de lockdowns contínuos, mas também gerará novas mutações de vírus, à medida que a COVID-19 continua a se espalhar entre as populações desprotegidas", escreveu ele.

    Tedros avaliou em seu texto que, atualmente, os países ricos com apenas 16% da população mundial compraram 60% do suprimento mundial de vacinas. Muitos desses países pretendem vacinar 70% de sua população adulta até o meio do ano em busca da imunidade coletiva.

    Mas o COVAX — mecanismo multilateral criado pela OMS junto com a Coalition for Epidemic Preparedness Innovations e Gavi, a aliança de vacinas, para garantir que as vacinas cheguem a todas as pessoas em todos os lugares — está lutando para comprar doses suficientes para cobrir 20% da população de países de baixa renda até o final de 2021.

    O diretor geral da OMS termina o longo artigo dizendo que se as pandemias são guerras microbianas, então as vacinas são nossas armas preferidas de salvação em massa.

    "Mas elas não são uma panaceia. Parar essa pandemia também requer medidas eficazes, como melhor ventilação interna em locais de trabalho e escolas, bem como ferramentas que envolvam todos no combate ativo contra o vírus, como testes domésticos rápidos, máscaras e distanciamento físico", finalizou Tedros.
    Tema:
    Situação mundial da COVID-19 no início de fevereiro de 2021 (80)
    Tags:
    vacinação, vacina, novo coronavírus, COVID-19, pandemia, OMS
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar