08:54 15 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    4413
    Nos siga no

    Após o anúncio de nova política de termos e condições do aplicativo WhatsApp, vários líderes mundiais e autoridades brasileiras decidiram migrar para o aplicativo de mensagens instantâneas Telegram.

    Entre as lideranças figura o presidente brasileiro Jair Bolsonaro, o qual informou em seu Twitter a decisão de criar um canal no Telegram.

    Ainda na família Bolsonaro, o senador e filho do presidente, Flávio Bolsonaro, também possui conta no aplicativo.

    Já a nível de ministros, o chanceler brasileiro, Ernestro Araújo e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles (que entrou para o aplicativo ainda em 2018), também têm contas no Telegram, além dos deputados federais Bibo Nunes (PSL-RS) e Bia Kicis (PSLDF).

    Lembramos também que a Sputnik Brasil possui seu canal no Telegram. Para acessá-lo clique no link.

    Líderes mundiais

    O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, acaba de criar seu canal no Telegram, publicando sua primeira mensagem nesta terça-feira (12).

    "O presidente da Turquia Tayyip Recep Erdogan está no Telegram!", escreveu a autoridade.

    No dia seguinte, foi a vez do premiê israelense, Benjamin Netanyahu, criar sua conta no aplicativo, curiosamente fazendo publicações em língua russa.

    O tema mais tratado em suas primeiras publicações foi a vacinação contra o coronavírus SARS-CoV-2.

    Também aderiram ao Telegram o presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, o presidente francês Emmanuel Macron, o premiê de Singapura Lee Hsien Loong, o presidente ucraniano Vladimir Zelensky, o presidente do Uzbequistão Shavkat Mirzieev e a presidente de Taiwan Tsi Ing-wen.

    Migração em massa

    No início do ano, o aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp anunciou novos termos e condições de uso, incluindo o compartilhamento de dados pessoais dos usuários com a rede Facebook.

    Se os usuários não aceitarem as novas regras, perderão acesso à conta, e qualquer uso do aplicativo a partir de 8 de fevereiro implica a sua aceitação.

    Descontentes com as mudanças, muitos internautas buscaram aplicativos alternativos para trocar mensagens, dentre eles o Telegram, o qual conseguiu nos primeiros dias de janeiro mais de cinco milhões de downloads.

    Isto acontece enquanto as redes sociais Facebook, Twitter e YouTube bloquearam ou suspenderam as contas do presidente norte-americano Donald Trump.

    Mais:

    Embaixador do Irã: EUA usaram redes sociais para censurar homenagens ao general Soleimani
    Bolsonaro ironiza taxa de eficácia da CoronaVac: 'Essa de 50% é uma boa?'
    Ameaça dos EUA ao TikTok cria 'precedente perigoso', diz fundador do Telegram
    Tags:
    redes sociais, Facebook, Benjamin Netanyahu, Recep Tayyip Erdogan, WhatsApp, Flávio Bolsonaro, Jair Bolsonaro, aplicativo, Telegram
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar