07:33 17 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    Mundo enfrenta coronavírus no final de dezembro (111)
    130
    Nos siga no

    Às vésperas da virada de ano, o mundo registrou um novo recorde de mortes diárias causadas pela COVID-19: foram 15.518 óbitos na última terça-feira (29), segundo dados da Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos.

    O último recorde, segundo números da mesma universidade, era do dia 22 de dezembro, quando foram registradas 14.468 mortes em 24 horas. A nova marca, atingida após as festas de Natal, pode refletir dados que ficaram retidos durante os dias de folga do feriado.

    Com 3.628 mortes registradas no dia 29 de dezembro, os Estados Unidos, sozinhos, são responsáveis por quase um quarto (23,4%) das mortes registradas no dia em que o recorde mundial foi alcançado. Com 1.111 mortes naquele dia, o Brasil corresponde a 7,4% do número do recorde.

    No total, já são 1.807.638 registros de morte por COVID-19 em todo o planeta desde o início da pandemia. O país com mais mortes são os EUA (com 342 mil mortes), e o Brasil é o segundo (193 mil). Índia (148 mil), México (124 mil) e Itália (73 mil) fecham a lista de cinco países com mais óbitos causados pelo novo coronavírus, de acordo com o levantamento da Johns Hopkins.

    Destes países, Índia e Brasil são os únicos que ainda não iniciaram a campanha de vacinação nacional. Ambos esperam começar a vacinar suas respectivas populações nos primeiros meses de 2021. 

    Para o Brasil, a previsão de início da vacinação nacional, segundo o ministro da Saúde Eduardo Pazuello, é para o mês de fevereiro.

    Tema:
    Mundo enfrenta coronavírus no final de dezembro (111)

    Mais:

    Ucrânia receberá 1,8 milhão de doses de vacina contra COVID-19 da Sinovac
    Vacinação contra a COVID-19 na Itália não será obrigatória, diz premiê
    Com 1.224 novos óbitos, maior número desde agosto, Brasil chega a 193.940 mortes por COVID-19
    OMS pede distribuição justa da vacina contra COVID-19 entre todos os países
    EUA: funcionário é demitido de clínica após destruir doses de vacina contra COVID-19
    Tags:
    Universidade Johns Hopkins, recorde, pandemia, mundo, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar