00:56 17 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    132
    Nos siga no

    O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) divulgou nesta quarta-feira (9) um relatório em que estima que o número de pessoas obrigadas a deixar suas casas tenha ultrapassado os 80 milhões – dos quais pelo menos 30 milhões têm menos de 18 anos.

    Este total incluiu 45,7 milhões de pessoas que deixaram suas casas, mas permaneceram em seu país de origem. Outros 29,6 milhões foram obrigados a deixar seu país. Segundo o relatório, 4,2 milhões de pessoas são requerentes de asilo.

    O relatório diz ainda que 67% dos refugiados saíram de apenas cinco países: Síria (6,6 milhões de refugiados), Venezuela (3,7 milhões), Afeganistão (2,7 milhões), Sudão do Sul (2,3 milhões) e Mianmar (um milhão).

    Já os países que mais acolhem refugiados são Turquia (3,6 milhões), Colômbia (1,8 milhão), Paquistão (1,4 milhão), Uganda (1,4 milhão) e Alemanha (1,1 milhão). O estudo diz que 86% do total de refugiados pelo mundo estão abrigados em países em desenvolvimento.

    Refugiados etíopes são recebidos na fronteira com o Sudão, na região de Gedaref, Sudão, 29 de novembro de 2020
    © AFP 2020 / Ashraf Shazly
    Refugiados etíopes são recebidos na fronteira com o Sudão, na região de Gedaref, Sudão, 29 de novembro de 2020

    O relatório destaca que, apesar da pandemia de COVID-19, muitos conflitos e perseguições não cessaram, como na Síria e na República Democrática do Congo.

    "Com o deslocamento forçado dobrando na última década, a comunidade internacional está falhando em promover a paz. Estamos ultrapassando outro marco sombrio, que continuará a crescer, a menos que os líderes mundiais parem as guerras", disse Filippo Grandi, alto comissário da ONU.

    Mais:

    Sudão afirma que já recebeu 36 mil refugiados da Etiópia
    Forças etíopes são acusadas de bloquear entrada de refugiados no Sudão
    Bangladesh transfere milhares de refugiados rohingya para ilha remota sob protestos de ONGs
    Criança morre devido à falta de atendimento médico em campo de refugiados na Síria
    Tags:
    mundo, relatório, ONU, Refugiados
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar