07:58 26 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    Por
    11573
    Nos siga no

    O Brasil está em 27º lugar, entre 32 nações analisadas, do primeiro Índice de Qualidade das Elites (EQx), estudo internacional que avalia se o impacto das ações de grupos de líderes de um país favorece ou dificulta o progresso nacional. Segundo o estudo, as elites brasileiras tiram mais valor da sociedade do que criam e agregam novas oportunidades.

    O EQx recorre a dados internacionais, governamentais e de entidades como Banco Mundial e FMI, e analisa dezenas de variáveis para obter quatro indicadores principais: poder econômico, valor econômico, poder político e valor político. Esses indicadores permitem medir a qualidade das elites de um determinado país e ajudam a prever crescimento econômico e desenvolvimento humano de uma sociedade.

    No caso do Brasil, "o que nós vemos é que as elites, quer políticas, quer econômicas, concentram em si ainda um elevado poder e acabam por utilizar esse poder para promover algumas atividades mais extrativas do valor da sociedade", explica à Sputnik Brasil a professora Cláudia Ribeiro, da Faculdade de Economia (FEP) da Universidade do Porto, em Portugal, instituição que, junto com a Universidade de Saint Gallen, na Suíça, desenvolveu o índice.

    Entre as variáveis nas quais o Brasil apresenta os piores desempenhos estão:

    • globalização da economia (31º posição)
    • resposta do governo à mudanças (30º)
    • liberdade de trocas comerciais (30º posição)
    • empreendedorismo (30º posição)
    • desemprego geral (29º)
    • desemprego entre jovens (27º)

    "O Brasil avançou desde a restauração de sua democracia, em 1985, especialmente recuperando a economia e mantendo o controle da inflação. No entanto, no momento, a fé no governo precisa ser restaurada, com o país pontuando abaixo da média em todas as áreas do índice. A fim de garantir um forte caminho de crescimento a longo prazo e alcançar seus pares BRIC, as elites devem fazer a transição para modelos de negócios de criação de valor, ao mesmo tempo em que fornecem condições propícias aos negócios e ao empreendedorismo na economia", lê-se no estudo.

    No grupo BRICS, somente a China teve posição de destaque, 12ª no geral, o que surpreendeu os pesquisadores. "Torna-se cada vez mais uma superpotência e rapidamente, a manter essa performance, caminhará para ser a maior economia", disse o professor Oscar Afonso, da FEP, durante a apresentação dos dados à imprensa.

    O professor explica que embora as elites chinesas tenham "muita concentração de poder político, a criação de valor é boa".

    Entre os demais membros do grupo, Rússia (23º) e Índia (25º) estão acima do Brasil e África do Sul vem atrás, em 30º lugar.

    O Brasil também ficou atrás de países como Israel (16º), Arábia Saudita (22º), Botswana (24º) e Paquistão (26º).

    Outros dois representantes da América Latina, o México está em 21º lugar e a Argentina muito abaixo, em 31º. O Egito ocupa o último lugar do ranking.

    Melhores elites

    Singapura é a número 1 do EQx. "Embora a nota seja penalizada pela alta concentração de poder, as elites da cidade-estado são, de longe, as maiores criadoras de valor do mundo", lê-se no estudo.

    Em seguida, o top 10 do ranking tem, na ordem, Suíça, Alemanha, Reino Unido, Estados Unidos, Austrália, Canadá, Japão, Coréia do Sul e Suécia.

    A primeira metade da classificação conta ainda com Noruega (11º), Polônia (13º), Portugal (14º) e França (15º).

    Como melhorar?

    Os pesquisadores ressaltam que o balanço entre os indicadores é o que define a posição na tabela e que mesmo os países com as melhores elites do mundo possuem pontos a melhorar.

    Os Estados Unidos, por exemplo, aparecem em 29º em porcentagem de gastos do PIB com saúde, enquanto o Brasil está em 10º. "Bastante bom", analisa a professora Cláudia Ribeiro.

    "Investimentos estrangeiros em porcentagem do PIB também é bastante elevado, está em 5ª posição. Essa capacidade pode ser potenciada para ajudar a puxar o resto da economia", diz a professora.

    "É perceber quais são as áreas onde as elites estão a ter desempenhos piores para tentar melhorar. Ao investirmos, vamos estar a potenciar desenvolvimento e crescimento econômico do país. Esse índice tem essa valia. Ao longo do tempo, sempre ouvimos falar das elites e da qualidade das elites, agora temos dados objetivos e concretos em que fundamentar as nossas opiniões e análises", completa Ribeiro.

    A partir de 2021 o Índice da Qualidade das Elites vai ser ampliado, com análise de dados de cem países, e será atualizado anualmente.

    Mais:

    'É inaceitável que 10% da população vivam à custa da miséria de 90% do povo', diz Lula (VÍDEO)
    Semana do Brasil: economista compara plano do governo para o comércio com Black Friday
    Presidência de Biden pode ser 'completa ruína' para economia dos EUA, alerta editor-chefe da Forbes
    Desenvolvimento e tecnologia militar da China superam EUA, reconhece Pentágono
    Tags:
    política, desenvolvimento, economia, elites, sociedade, China, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar