03:39 03 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    270
    Nos siga no

    Um grupo de arqueólogos descobriu câmaras com pinturas que tinham estado ocultas por mil anos no templo egípcio de Osíris.

    Os arqueólogos estudavam a estrutura do templo, construído no século VII a.C., no final da XXV dinastia, durante o reinado do faraó Taharqa.

    A decoração das paredes permaneceu por milênios oculta e estava praticamente invisível ao olho humano.

    Os especialistas utilizaram diversos métodos como fotografia fluorescente ultravioleta com refletografia infravermelha, o que permitiu revelar a decoração em tons azuis, segundo publicação da Nauka Polsce.

    As paredes estudadas são um exemplo policromia, a arte de pintar ou decorar com diversas cores.

    A estrutura, que foi analisada pelos arqueólogos, possui duas salas adjacentes, uma das quais representaria o mundo dos vivos e a outra - a vida após a morte.

    A tinta azul é considerada uma das tintas sintéticas mais antigas, obtida através do aquecimento de uma mistura contendo carbonato de cálcio e dióxido de silício a uma temperatura de aproximadamente 1.000 graus centígrados.

    Esta cor era muito utilizada para decorar elementos arquitetônicos e criar imagens, entre outros elementos.

    Mais:

    Feitiço erótico é revelado em papiro de 1.800 anos do antigo Egito (FOTO)
    Vivendo com predadores: núbios do Egito dividem suas casas com crocodilos-do-nilo (FOTOS)
    Lendário arquiteto poderia ter sido enterrado ao redor da 1ª pirâmide do Egito
    Tags:
    arqueologia, arqueólogo, arqueólogos, descoberta, Egito
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar