04:06 19 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    2214
    Nos siga no

    Uma nova técnica de raios X permitiu encontrar um menino Jesus com asas oculto em uma das famosas pinturas de Leonardo da Vinci, conhecida como "Virgem das Rochas".

    A alta quantidade de zinco do esboço foi uma grande ajuda para revelar o que, até hoje, o famoso quadro escondia.

    A "Virgem das Rochas" surpreendeu o professor de uma universidade britânica, pois suas técnicas de raios X revelaram o notável esboço sob as camadas da pintura original.

    Esta não é a primeira vez que foram encontradas provas de pinturas subjacentes nesta obra. Anteriormente, a utilização de luz infravermelha revelou um esboço da Virgem Maria em uma posição mais elevada, porém, uma nova técnica chamada macro fluorescência de raios X (MA-XRF) revelou o menino Jesus com asas.

    Imagem de raios X do quadro Virgem das Rochas
    Imagem de raios X do quadro Virgem das Rochas

    O professor de engenharia Pier Luigi Dragotti, do Imperial College London, realizou uma verificação cuidadosa no complicado processo da descoberta, que ele considera tão difícil quanto encontrar "uma agulha no palheiro".

    A técnica MA-XRF está sendo utilizada há aproximadamente 10 anos para analisar pinturas antigas. No entanto, esta é a primeira vez que foi utilizado um algoritmo descoberto por Dragotti, que permite interpretar os dados fornecidos com maior precisão graças à alta presença de zinco no esboço.

    Apesar da revelação, os mistérios que rondam as pinturas de Da Vinci ainda não foram totalmente desvendados, já que outras pinturas apresentam mensagens e formas ocultas para serem desvendadas.

    Mais:

    Caverna com pinturas rupestres é descoberta por acidente no Egito (FOTOS)
    Pintura de US$ 450 milhões 'desaparece' de museu nos Emirados Árabes Unidos
    Pintura figurativa mais antiga do mundo encontrada em caverna na Indonésia (VÍDEO)
    Tags:
    descoberta, Leonardo Da Vinci, quadros, pinturas, pintura
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar