08:05 31 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    381
    Nos siga no

    A geosmina, verificada na água que tem sido distribuída para parte da população do Rio de Janeiro, é a substância que mais favorece a proliferação do mosquito Aedes aegypti, afirmam especialistas de uma instituição da Suécia.

    De acordo com cientistas internacionais ligados à Universidade de Lund, a substância, tratada como inofensiva pela Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae), além de alterar características da água, também atrai o vetor responsável pela transmissão de doenças como dengue, zika, chikungunya e febre amarela.

    Segundo reportagem publicada pelo jornal O Globo, os pesquisadores descobriram que a geosmina atrai mais especificamente a fêmea do mosquito, estimulando-a a colocar seus ovos na água, uma vez que, onde há a substância, há também micro-organismos dos quais as larvas do Aedes podem se alimentar.

    Desde o início do ano, habitantes de diferentes partes da cidade e da região metropolitana do Rio vêm se queixando do cheiro e do gosto da água fornecida pela Cedae, que, por sua vez, tentou tranquilizar a população afirmando se tratar apenas de um caso de contaminação por uma substância que não faria mal à saúde humana. 

    ​Nos últimos dias, a companhia estadual deu início a um tratamento com carvão ativado para reduzir o cheiro da geosmina no reservatório do Guandu. Mas, segundo uma das cientistas responsáveis pela pesquisa disse à reportagem, os mananciais de onde essa água foi tirada continuarão sendo uma fonte em potencial para a proliferação do mosquito no caso de continuarem recebendo esgoto.

    Mais:

    Mais de 10 pessoas morreram de dengue na Tanzânia: quase 6.700 infectadas
    'Pior epidemia nos últimos 50 anos': 144 mortos e cerca de 82.000 infectados por dengue em Honduras
    Dengue se alastra pelo Paraguai com mais de 1.800 casos confirmados; presidente é um deles
    Tags:
    Rio de Janeiro, Brasil, O Globo, Suécia, Cedae, Aedes aegypti, esgoto, água, contaminação, saúde, doenças, zika, febre amarela, Chikungunya, dengue
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar