00:34 24 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    2363
    Nos siga no

    Arqueólogos conseguiram resolver o mistério de dois mil anos depois de encontrarem 500 tábuas de pedra revelando os segredos do Império Romano.

    O pesquisador Mounir Fantar havia descoberto diversos tanques na cidade de Nabeul, localizada e construída sobre os restos da antiga cidade de Neápolis, que era um porto comercial, segundo o tabloide britânico Express.

    Após a descoberta, surgiu a teoria de que Neápolis exportava um condimento de peixe, conhecido como garo. De fato, a cidade era um grande centro de produção desse condimento, como cita as tábuas de pedra encontradas.

    Além disso, as escritas revelam como os romanos conseguiram transportar seus produtos a milhares de quilômetros de distância, já que Neápolis era parte da maior cadeia de suprimentos do mundo antigo.

    Escritas romanas encontradas nas proximidades da Muralha de Adriano
    Escritas romanas encontradas nas proximidades da Muralha de Adriano

    A descoberta ocorreu na fronteira do Império Romano, próximo da Muralha de Adriano, onde o exército romano lutou para proteger o território. Além disso, as evidências indicam que o local era fortemente defendido por uma dos 16 agrupamentos que percorriam em torno da Muralha de Adriano.

    Outra grande descoberta foram as 500 cartas de e para os soldados romanos que ocupavam o forte, contendo pedidos de comidas, revelando que eles recebiam diversos tipos de mercadorias de outros países, e entre os produtos mais procurados estava o garo.

    As cartas também revelam assuntos oficiais militares, mensagens pessoais e o mais marcante, um convite de aniversário realizado 100 anos d.C., em latim.

    Mais:

    Templo bíblico é descoberto próximo a Jerusalém (FOTOS)
    Sepultura de mentor do Holocausto é descoberta e violada na Alemanha (VÍDEO)
    Muro de defesa marítima mais antigo do mundo é descoberto em Israel (FOTOS)
    Tags:
    Império Romano, Roma, arqueologia, carta, revelação, descoberta
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar