15:47 22 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    0 11
    Nos siga no

    Pesquisadores mexicanos localizaram duas âncoras de ferro, possivelmente do século XVI, cuja localização poderia indicar que o objeto fazia parte da frota expedicionária de Hernán Cortés.

    "Os objetos estariam vinculados ao século XVI e poderiam estar associados à localização da frota de Hernán Cortés", o conquistador espanhol, informou o Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH).

    A região mexicana de Villa Rica, em Veracruz, localizada na costa do golfo do México, é conhecida por ser uma região turística e de pesca, mas "há 500 anos, a região foi cenário de um dos encontros culturais mais importantes da história, que segue sendo investigado, com resultados positivos, por arqueólogos subaquáticos" do INAH. Estes trabalham em conjunto com equipes estrangeiras.

    ​500 depois do desembarque de Cortés, pesquisadores encontram duas âncoras de ferro em Villa Rica, Veracruz. De acordo com sua morfologia, elas estariam associadas ao século XVI, e sua orientação mostraria uma lógica portuária, que poderia estar associada à localização da frota. 

    De acordo com o Dr. Roberto Junco, "as duas novas âncoras foram encontradas 300 metros a norte de uma outra achada antes, sendo maiores: possuem dois metros de comprimento e 66 centímetros entre as pontas dos braços".

    "Por sua morfologia, estariam vinculadas ao século XVI, sua orientação mostraria uma lógica portuária, a qual poderia estar associada com a localização da frota de Hernán Cortés", que desembarcou no local para conquistar o Império Asteca em 1521.

    Mais:

    Descoberto filhote siberiano que pode ser um dos primeiros cães domesticados (FOTOS)
    Ponto mais profundo da Terra é descoberto por baixo do gelo da Antártica (VÍDEO)
    Descoberta cidade perdida na Etiópia de império que rivalizava com Roma (FOTOS)
    Tags:
    Golfo do México, conquista, descoberta, arqueologia, México
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar