07:58 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Destroços do submarino britânico HMS Urge, encontrado na costa de Malta 70 anos após naufragar durante a Segunda Guerra Mundial

    Submarino britânico perdido durante 2ª Guerra Mundial é achado na costa de Malta (VÍDEO)

    © REUTERS / University of Malta/Project Spur
    Sociedade
    URL curta
    0 40
    Nos siga no

    Destroços de um submarino britânico desaparecido durante a Segunda Guerra Mundial foram encontrados depois de mais de setenta anos na costa de Malta.

    Os destroços do HMS Urge foram encontrados por equipes de busca da Universidade de Malta, a pouco mais de três quilômetros da costa do país insular, reportou o jornal The Telegraph.

    O submarino foi construído com dinheiro arrecadado pela população do País de Gales, que promovia espetáculos e campeonatos de cartas para angariar fundos.

    A descoberta foi feita após Francis Dickinson, neto do capitão do submarino naufragado, ter solicitado que a universidade investigasse a área. O perímetro foi minado pelos nazistas durante o cerco de dois anos e meio à ilha.

    Uma imagem de sonar revelou a presença do submarino a mais de 130 metros de profundidade.

    "Os destroços na fuselagem revelam uma explosão violenta [...] indicando que a embarcação naufragou rapidamente, impedindo que qualquer pessoa se salvasse da tragédia", disse o coordenador da equipe de buscas, professor Timothy Gambin.

    "Apesar da fuselagem danificada, os destroços estão em ótimas condições. Ele [submarino] está apontando para cima, muito orgulhoso, na direção que indica que estaria indo para Alexandria", disse Gambin.

    Submarino HMS Urge

    O submarino britânico desapareceu em 1942 depois de receber a ordem de seguir, com mais duas embarcações, de Malta para o Egito.

    A explosão matou todos os 32 membros da tripulação, 11 passageiros da Marinha britânica e um jornalista.

    Familiares das vítimas e a Marinha britânica estavam cientes de que a causa provável do acidente seria uma mina implantada pelos nazistas, teoria confirmada pela descoberta dos destroços.

    Ilustração gráfica que compara a imagem de sonar dos destroços do submarino britânico à esquema de sua estrutura. O submarino foi encontrado há 130 metros de profundidade
    © REUTERS . UNIVERSITY OF MALTA/PROJECT SPUR
    Ilustração gráfica que compara a imagem de sonar dos destroços do submarino britânico à esquema de sua estrutura. O submarino foi encontrado há 130 metros de profundidade

    Outra teoria, baseada nos relatórios militares alemães, sugeria que o submarino teria naufragado no dia 29 de abril, por um bombardeiro de mergulho, enquanto este atacava uma embarcação italiana na costa da Líbia.

    O submarino foi ao mar no dia 27 de abril, mas nunca atingiu o seu destino final, que seria Alexandria, no Egito, em 6 de maio.

    Correspondente Gray

    O jornalista vitimado no acidente era Bernard Gray, um correspondente de guerra britânico que havia coberto a evacuação de Dunquerque.

    Acredita-se que Bernard Gray teria usado a sua influência para conseguir viajar no submarino, no intuito de cobrir a guerra no norte da África.

     Destroços do submarino britânico HMS Urge, que naufragou como resultado de explosão uma mina alocada do exército nazista
    © REUTERS / University of Malta/Project Spur
    Destroços do submarino britânico HMS Urge, que naufragou como resultado de explosão uma mina alocada do exército nazista

    A presença do correspondente na embarcação só foi confirmada em 2002, após extensa pesquisa dos arquivistas do Museu de Submarinos da Marinha Real britânica.

    Uma cerimônia para declarar o local dos destroços um memorial de guerra está prevista para ser celebrada em abril de 2020.

    Mais:

    Construtora da Marinha dos EUA teria falsificado testes de submarinos nucleares
    Britânicos reagem ao lançamento do míssil Bulava a partir de novo submarino nuclear russo
    Sucessos e desastres: a história dos primeiros submarinos nucleares do mundo
    Tags:
    Malta, Reino Unido, Segunda Guerra Mundial, submarino
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar