05:37 25 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    190
    Nos siga no

    Misteriosos pergaminhos da família de Júlio César, que ficaram carbonizados durante erupção do Vesúvio, podem ser lidos pela primeira vez depois de 2 mil anos.

    O Monte Vesúvio entrou em erupção em 79 d.C., queimando as cidades de Pompeia e Herculano, além de destruir um dos bens mais preciosos para os romanos, a biblioteca de pergaminhos.

    Os frágeis documentos foram conservados durante anos, porém sua fragilidade impossibilitou a abertura deles, segundo o tabloide Daily Mail.

    Uma equipe norte-americana, liderada pelo professor Brent Seales, diretor de informática da Universidade de Kentucky, iniciou uma pesquisa para decifrar as escritas através de uma nova técnica de raios X, que conta com a inteligência artificial.

    Fragmento de pergaminho Herculano de 2.000 anos
    © REUTERS / George Sargent
    Fragmento de pergaminho Herculano de 2.000 anos

    Os pergaminhos que deverão ser estudados pertencem ao Instituto da França em Paris e formam parte de uma coleção de 1.800 documentos descobertos em 1752 durante as escavações de Herculano, quando foi suposto que os documentos pertenciam à família de Júlio César.

    A técnica de raios X foi utilizada anteriormente por Seales e sua equipe para interpretar um pergaminho hebreu de 1.700 anos, que pertencia à arca sagrada de uma sinagoga em Israel.

    Pergaminho Herculano carbonizado há 2.000 anos
    © REUTERS / Universidade de Kentucky / Iniciativa de Restauração Digital
    Pergaminho Herculano carbonizado há 2.000 anos

    Na ocasião foi revelado um texto do livro bíblico do Levítico, entretanto, a tinta desta escrita era composta por uma base de metal, enquanto que a dos pergaminhos de Herculano era baseada em carbono, material mais fácil de detectar.

    Perante o desafio, a equipe criou um novo método baseado em raios X de alta energia e com inteligência artificial.

    Fragmento de pergaminho Herculano de 2.000 anos
    © REUTERS / George Sargent
    Fragmento de pergaminho Herculano de 2.000 anos

    Acredita-se que a densidade do papel com a escrita seja diferente das partes em branco. Ao escanear as partes onde os caracteres estão visíveis, um algoritmo decifrará o que está escrito nos pergaminhos.

    O objetivo é que o sistema recolha as diferenças entre as áreas desenhadas e vazias, gerando dados que seriam decifrados através de técnicas informáticas avançadas.

    Pergaminho Herculano carbonizado há 2.000 anos
    © REUTERS / Universidade de Kentucky / Iniciativa de Restauração Digital
    Pergaminho Herculano carbonizado há 2.000 anos

    Seales ainda revelou que os dados dos raios X estão sendo recolhidos, inclusive seus algoritmos, para aplicar o novo sistema nos próximos meses.

    "A primeira coisa que esperamos fazer é aperfeiçoar a tecnologia para que possamos utilizá-la nos 900 pergaminhos que faltam", informou Seales, ressaltando que a maioria das escritas se refere à filosofia grega.

    Mais:

    Vulcão Stromboli volta a entrar em erupção na Itália cuspindo lava e cinzas (VÍDEOS)
    Habitantes da Sicília: OTAN fora da Itália, Itália fora da OTAN
    Pompeo diz ter pedido apoio da Itália para enfrentar presidente venezuelano Maduro
    Tags:
    erupção, documentos, Júlio César, raios, pesquisa, estudo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar