04:28 21 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Representação de uma batalha de Napoleão

    Restos mortais achados na Rússia poderiam ser de general do Exército de Napoleão - Fotos

    © AFP 2019 / Michal Cizek
    Sociedade
    URL curta
    161

    Um grupo de arqueólogos encontrou os restos que pertenceriam a Charles-Étienne Gudin de la Sablonniere, um dos generais mais próximos de Napoleão.

    Durante a operação russa de 1812, Gudin de la Sablonniere participou na Batalha de Smolensk. Já na Batalha de Valutino, em 19 de agosto, ele se uniu ao marechal Michel Ney.

    General Charles-Étienne Gudin de la Sablonniere
    General Charles-Étienne Gudin de la Sablonniere

    Um dos primeiros disparos feitos com armas russas arrancou suas duas pernas, e mesmo tendo sido retirado do local, Gudin não resistiu e faleceu.

    Segundo Napoleão, Gudin "teria recebido o título de marechal há muito tempo", adicionando em tom de lamentação: "se fosse possível entregar estes títulos a todos aqueles que mereciam".

    181

    Os historiadores sabiam que Gudin havia sido enterrado em um túmulo como um "grande guerreiro" em torno de Smolensk.

    "E conseguimos encontrar os restos mortais, com evidência indireta e com alta probabilidade de pertencer ao general Gudin", afirmou a vice-presidente da fundação de desenvolvimento de iniciativas históricas franco-russa, Maria Katasonova.

    Além disso, ela esclareceu que os restos mortais encontrados estão sem a perna esquerda, enquanto que a perna direita está mutilada, assim como Gudin, que sofreu esses ferimentos durante a batalha.

    Caso seja confirmado que os restos pertencem a Gudin, então eles seriam enviados à França.

    Mais:

    'Sensação arqueológica': ruínas descobertas de antigo império revelam achados únicos (Fotos)
    Arqueólogos russos trazem à tona novos segredos da antiga cidade de Jericó
    Enigma da Idade do Bronze pôde ter sido desvendado por arqueólogos na Turquia (Fotos)
    Tags:
    arqueólogos, arqueologia, Napoleão Bonaparte, batalha, guerra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar