02:24 16 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Recém-nascido (imagem ilustrativa)

    Mídia reporta tráfico de bebês arquitetado através do Instagram e WhatsApp

    CC0 / Unsplash
    Sociedade
    URL curta
    101

    Ao menos quatro pessoas foram detidas na Indonésia em conexão a um tráfico infantil através de redes sociais, comunicou BBC, citando uma fonte local.

    Quatro pessoas foram presas em Surabaya, na Indonésia, por possivelmente estarem vendendo recém-nascidos através do Instagram e WhatsApp.

    De acordo com a polícia local, os criminosos estavam traficando crianças através de uma conta do Instagram que pertenceria a uma agência de assistência familiar.

    Na página foram postadas fotos de mulheres grávidas, ultrassonografias e crianças recém-nascidas com um número telefônico para que "clientes" entrem em contato por WhatsApp.

    "Pessoas que querem adotar crianças usam essa conta e a transação é completa pelo WhatsApp", disse Col Sudamiran, detetive da polícia de Surabaya, segundo a mídia local.

    A polícia revelou ter conseguido interceptar uma transação, mas admitiu que pelo menos um bebê já foi vendido pelo serviço e que continua buscando a criança vendida, comunicou BBC.

    Imagens de crianças foram divulgas com dados sobre idade, localização e religião com os rostos desfocados, anunciou a polícia.

    Em uma postagem com captura de tela de um chat, uma mulher reportou estar grávida e que não quer que seus pais saibam, oferecendo a criança para adoção. Outra postagem mostra uma mulher grávida e fornece o número de telefone para os interessados. Em nenhuma publicação é mencionada venda ou compra de crianças.

    Durante a operação policial, quatro pessoas foram presas — uma mãe de 22 anos de idade que queria vender sua criança de 11 meses, um comprador, um agente e um possível proprietário da conta no Instagram, afirmaram oficiais. Segundo a polícia, o comprador deveria pagar 15 milhões de rúpias indonésias (R$ 3.723) para a mãe, 5 milhões ao agente (R$ 1.244) e 2,5 milhões (R$ 622) ao proprietário da página.

    Se forem condenados, todos os quatro criminosos podem passar até 14 anos na prisão por violarem o estatuto da criança e adolescente.

    Mais:

    Brasileiros lançam carro elétrico que pode ser carregado na tomada de casa
    Facebook remove 559 páginas e 251 contas sobre 'comportamento não autêntico'
    WhatsApp de campanha da ex-presidente Dilma é bloqueado
    Facebook não encontra evidência de que hackers acessaram outros aplicativos
    WhatsApp poderá passar em breve para 'lado obscuro'
    Tags:
    polícia, tráfico de pessoas, mulheres, bebê, crianças, Instagram, WhatsApp, Indonésia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik