13:23 19 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Manifestação de caminhoneiros no Rio de Janeiro como parte de mobilização nacional da categoria contra os preços altos dos combustíveis no Brasil.

    Сaminhoneiros mantêm protestos nas rodovias federais, apesar do acordo com governo

    © Sputnik / Solon Neto
    Sociedade
    URL curta
    Greve dos caminhoneiros paralisa o Brasil (37)
    220

    Apesar do acordo com governo, as manifestações de caminhoneiros nas rodovias do país continuam.

    Na Régis Bitencourt, em São Paulo, caminhões permanecem estacionadas ao logo da rodovia. O mesmo ocorre em rodovias no Paraná, em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul. No Distrito Federal, a Polícia Rodoviária Federal também registrou manifestação nas estradas BR-020, BR-060, BR-070 e BR-080. 

    Pelo acordo firmado nesta quinta-feira à noite entre o governo e representantes dos caminhoneiros, a paralisação será suspensa por 15 dias. Por outro lado, a Petrobras manterá a redução de 10% no valor do diesel nas refinarias por 30 dias, enquanto o governo tenta reduzir os preços. 

    A Petrobras custeará esse desconto, estimado em R$ 350 milhões, nos primeiros 15 dias. Os próximos 15 dias serão patrocinados pela União, informou Agência Brasil

    A decisão de suspender a paralisação, porém, não é unânime. Das 11 entidades do setor de transporte, em sua maioria caminhoneiros, que participaram do encontro, uma delas, a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), que representa 700 mil trabalhadores, recusou a proposta. 

    Os representantes dos caminhoneiros pedem o fim da carga tributária sobre o óleo diesel. Eles contam com a aprovação, no Senado, da isenção da cobrança do PIS/Pasep e da Cofins incidente sobre o diesel até o fim do ano. A matéria foi aprovada ontem pela Câmara e segue agora para o Senado. Caso seja aprovada, a isenção desses impostos precisará ser sancionada pelo presidente da República.

    Tema:
    Greve dos caminhoneiros paralisa o Brasil (37)
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik