04:23 25 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Chanceler alemão, Adolf Hitler, se endereçando a grupos de jovens fascistas em Nuremberg, 11 de setembro de 1937

    Como Stalin soube da morte de Hitler?

    © AP Photo
    Sociedade
    URL curta
    5210

    No início de maio de 1945, o comandante da Primeira Frente Bielorrussa, Georgy Zhukov, enviou para Moscou uma mensagem, a mais importante de todos os quatro anos da Grande Guerra pela Pátria, que faz parte da Segunda Guerra Mundial.

    O marechal informou o comandante supremo Josef Stalin sobre o suicídio de Adolf Hitler. O telefonograma de quatro páginas impressas lança luz não só sobre as circunstâncias da morte do fuehrer, mas também sobre a situação política na Alemanha hitleriana agonizante.

    Parlamentares importantes

    Um grupo de oficiais da Wehrmacht — Forças Armadas da Alemanha durante o Terceiro Reich — apareceu em um trecho da frente do 8º exército da guarda em 1º de maio às 4h00 da madrugada. O chefe do Estado-Maior do Alto Comando das Tropas Terrestres da Alemanha, general de infantaria Hans Krebs, solicitou um encontro com o comandante do exército Vasily Chuikov, declarando que tem que transmitir-lhe uma mensagem muito importante e urgente.

    O despacho alemão começava assim: "Berlim, 30 de abril de 1945. Chancelaria Imperial. Comunicação. Delegamos poderes ao chefe do Estado-Maior do exército de terra, general de infantaria Hans Krebs, para enviar a mensagem seguinte: 'Comunico ao líder dos povos soviéticos, como o primeiro dos não-alemães, que hoje, em 30 de abril de 1945 às 15h50, o fuehrer do povo alemão, Adolf Hitler, se suicidou."

    Claro que a missão de Krebs não era só de informar o comando soviético sobre a morte de Hitler, mas também estabelecer contato com o líder dos povos soviéticos a fim de "revelar em que medida era possível criar fundamentos para a paz entre o povo alemão e o da União Soviética que servissem para o bem de ambos os povos que sofreram as maiores perdas na guerra".

    As negociações entre Chuikov e Krebs continuaram por cerca de cinco horas. Em primeiro lugar, o comando soviético estava interessado nas circunstâncias da morte de Hitler, bem como em saber onde estava o seu corpo. Krebs relatou que Hitler se suicidou em Berlim e que seu corpo foi queimado de acordo com o testamento.

    Intrigas no poder alemão

    No decorrer da conversa foram revelados detalhes interessantes sobre as divergências nas fileiras da cúpula nazista. Krebs não planejava anunciar a morte de Hitler ao povo, pois disso poderia vir a saber Heinrich Himmler e se beneficiar disso para criar um novo governo.

    Recordemos que, nos finais de abril de 1945, Himmler caiu em desgraça perante Hitler devido a boatos sobre conversações secretas de Himmler com representantes dos EUA e Reino Unido. Depois disso, o apoiador mais próximo de Hitler teria começado a sabotar suas ordens para a defesa de Berlim. Por isso, um dia antes de sua morte, Adolf Hitler privou o reichsfuehrer-SS — Tropas de Proteção — de todas as distinções, incluindo a qualidade de membro do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães.

    Mas a missão de Krebs fracassou por completo. O comando soviético se recusou a negociar, declarando que podia tratar somente da rendição incondicional.

    Reich decapitado

    Em 1º de maio, o Estado-Maior da 1ª Frente Bielorrussa recebeu a recusa de Joseph Goebbels — ministro da Propaganda da Alemanha Nazista — da capitulação da guarnição de Berlim. Às 22h00, Goebbels e sua esposa se suicidaram, matando antes disso os seus seis filhos.

    Perto da mesma hora se suicidou o general Krebs. Martin Bormann, chefe da Chancelaria do Partido Nazista, morreu na tentativa de furar o cerco. O seu corpo nunca foi encontrado.

    Heinrich Himmler tomará veneno durante o interrogatório em um campo britânico de prisioneiros de guerra. Conforme uma das versões, foram os ingleses que o ajudaram a morrer para esconder a informação sobre as negociações secretas.

    Quanto ao próprio telefonograma, ele foi, provavelmente, um procedimento formal. Stalin foi informado sobre a morte de Hitler via telefone logo após a chegada de Krebs ao estado-maior soviético.

    O líder soviético ficou cético em relação ao suicídio do seu maior inimigo. O resto do mundo soube sobre a morte de Hitler em 2 de maio de 1945, quando a rádio alemã comunicou que "o fuehrer morreu com armas nas mãos, protegendo Berlim". A mídia mundial reagiu ao evento com júbilo.

    Em Moscou a postura foi diferente. "As informações indicadas são um novo truque alemão: claro que os fascistas alemães esperam dar a Hitler a oportunidade de sair do palco e passar à clandestinidade", notou em 2 de maio de 1945 a Agência Telegráfica da União Soviética (TASS).

    Mais:

    Polônia pode cobrar mais de meio trilhão de dólares da Alemanha por reparações de guerra
    Investigador explica por que teorias conspiratórias sobre destino de Hitler são falsas
    Livro de Hitler e material nazista são encontrados na casa de atirador italiano
    Tags:
    guerra, suicídio, Segunda Guerra Mundial, Grande Guerra Pela Pátria, Josef Stalin, Adolf Hitler, União Soviética, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik