20:45 15 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Mão do presidente Lula acenando para a multidão durante ato em Curitiba, no Paraná

    1º de maio em Curitiba: sindicalistas se unem no primeiro Dia do Trabalhador sem Lula

    Ricardo Stuckert
    Sociedade
    URL curta
    18144

    Neste Dia do Trabalhador, sete centrais sindicais se reúnem em Curitiba em ato político para pedir a liberdade do ex-presidente Lula e protestar contra as reformas trabalhistas.

    O ato está agendado para acontecer no centro de Curitiba, na praça Santos Andrade, e reunirá a CUT (Central Única dos Trabalhadores), Força Sindical, UGT (União Geral dos Trabalhadores), Nova Central, CSB (Central dos Sindicatos do Brasil) e a Intersindical.

    Lideranças do PT, como Fernando Haddad e Jaques Wagner, possíveis candidatos à presidência pelo partido, no caso do Lula não conseguir concorrer as eleições, também devem estar presentes. Além disso, os sindicatos prometem abrir o palanque para outros candidatos de esquerda. Manuela D'Ávila (PCdoB) e Guilherme Boulos (PSOL) confirmaram a presença.

    "É o maior ato desde a criação da CUT", disse Vagner Freitas, presidente nacional Central Única dos Trabalhadores aos jornalistas.

    "Três fatos unificam as sete maiores centrais sindicais do Brasil neste 1º de Maio: a crise econômica, política e social que tomou conta do país desde o golpe de Estado; a prisão do ex-presidente Lula, em mais uma tentativa de o tornar inelegível e impedir sua vitória nas urnas nas eleições deste ano; e a violência, estimulada pelas crises econômica e política", escreveu Freitas em artigo divulgado pelo sindicato.

    O cientista político Pedro Curado, professor do Instituto de Relações Internacionais e Defesa (IRID-UFRJ), em conversa com Sputnik Brasil, concordou com avaliação do sindicalista.

    Segundo ele, uma forte oposição ao projeto político petista se articulou há alguns anos e atua nesse sentido desde o impedimento da presidenta Dilma Rousseff.

    "Existe um interesse de instrumentalizar a justiça para tirar o PT do poder. E o meio para chegar nisso é a través do suposto combate à corrupção. Como exemplo, não existe até hoje explicação para o fato da justiça não ter investigado o período da presidência do FHC, sendo que os principais delatores que deram origem à Lava Jato trabalhavam na política ainda no período anterior ao governo do PT", disse o interlocutor da Sputnik.

    "É de extrema irresponsabilidade retirar da corrida eleitoral o candidato que está na liderança com um argumento tão frágil e um julgamento tão controverso, feito em tempo recorde. Isso faz crer que a prisão do Lula tenha uma relação direta com impeachment da Dilma e que a Lava Jato tem o interesse de tirar o PT do poder. O efeito de instabilidade política que essa tática pode provocar é difícil de calcular".

    São Bernardo sem Lula

    Além da instabilidade política, os sindicatos, e principalmente a CUT, devem trazer esse ano um forte componente emocional para os discursos.

    Segundo o João Cayres, Secretário Geral da CUT/SP, muitos companheiros do ex-presidente se reunirão neste sábado para a missa na Igreja Matriz de São Bernardo de Campo. Ali, todos os anos, é realizada a "tradicional" missa no Dia do Trabalhador.

    "Essa será a primeira missa do Dia do Trabalhador sem Lula em muitos anos", lamentou o sindicalista, que planeja se juntar ao acampamento de defesa ao ex-presidente em Curitiba assim que puder.

    "Todo ano ele [Lula] participa, como um bom católico", disse João Cayres.

    "No acampamento de apoio ao Lula tem muita gente, tanto o pessoal dos movimentos sociais, quanto o do movimento sindical. Na CUT nós estamos revesando. Toda semana alguém vai", explicou Cayres.

    Neste primeiro dia de maio o acampamento deve crescer ainda mais.

    E se depender das centrais sindicais, esse Dia do Trabalhador também será dia de #LulaLivre.

    Mais:

    Ação contra Lula tem 'outras provas' e fica em Curitiba, decide Moro
    Lula no alvo? Palocci fecha acordo de delação premiada com a Polícia Federal
    Decisão do STF abre brecha para defesa de Lula tirar processos das mãos de Moro
    Nova CLT está valendo: entenda o labirinto da nova Lei Trabalhista
    Tags:
    dia do trabalhador, prisão de lula, Intersindical, Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), Nova Central Sindical de Trabalhadores, União Geral dos Trabalhadores (UGT), Força Sindical, CUT, Pedro Curado, João Cayres, Luiz Inácio Lula da Silva, Lula, Curitiba, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik