13:15 19 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Ana Amélia x Gleisi Hoffmann

    Gleisi Hoffmann e Al Jazeera: 'apologia ao terrorismo' revela o mecanismo das fakenews

    Roque de Sá e Jefferson Rudy/Agência Senado
    Sociedade
    URL curta
    48174

    O Senado se alvoroçou esta semana após a presidenta do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), ter gravado um vídeo para a emissora Al Jazeera, no qual afirmou que o ex-presidente Lula é um preso político. Entre os críticos, alguns classificaram a declaração de "apelo ao terrorismo" e de convocação do "exército muçulmano".

    A senadora denunciou aquilo que chamou de prisão política do ex-presidente Lula e convidou "a todos e a todas" a se juntarem na luta em apoio ao político. O vídeo foi veiculado nesta terça-feira pela emissora árabe, sediada no Qatar.

    Em uma das partes da declaração, a senadora afirma que "Lula foi condenado por juízes parciais num processo ilegal. Não há nenhuma prova de culpa, apenas acusações falsas".

    "A prisão de Lula é a continuidade do golpe que se iniciou em 2016, com a retirada da presidenta Dilma do governo. Ela não cometeu nenhum crime, assim como Lula também não cometeu. É um preso político. Ele é inocente."

    Comunicados de conteúdo identicos já foram enviados pela senadora para diversos veículos da imprensa internacional. Aliás, é a versão dos fatos publicamente defendida pelo Partido dos Trabalhadores.

    Alguns colegas de Hoffmann no senado, no entanto, ficaram alarmados. Desta vez. O vídeo para Al Jazeera, segundo estes, passou dos limites e representa ameaça à segurança nacional.

    Assim, a senadora Ana Amélia (PP-RS) acusou a representante do PT de infringir a Lei de Segurança Nacional por suposta provocação de "atos de hostilidade" contra o Brasil ao pedir apoio ao Lula na emissora árabe. 

    "Espero que essa convocação não seja um pedido para o exército islâmico atuar no Brasil", disse a senadora gaucha.

    ​Já o deputado e oficial da Polícia Militar aposentado Major Olimpio (PSL-SP) protocolou representação contra Gleisi no Conselho de Ética do Senado, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e no Supremo Tribunal Federal (STF).

    O deputado afirmou que alguns países, onde Al Jazeera  atual, estão em regiões de "concentração de diversos grupos terroristas, colocando em risco também a segurança nacional do Brasil".

    Num mundo de telefone sem fio e de fakenwes, no qual se transformaram setores das redes sociais, logo começaram a circular notícias de que a senadora do PT estava "convocoando células adormecidas" de terroristas no mundo e no Brasil a se juntar à luta do PT para libertar Lula.

    Essas publicações atingiram milhares vizualizações e foram compartilhadas por muitos usuários como notícias de fato, quando na verdade o discurso que atribuem à senadora nunca foi dito por ela.

    Literalmente, colocam palavras na sua boca de Hoffmann, já que a presidenta do PT em momento algum citou nome de nenhum grupo terrorista, bem como não pediu nenhum tipo de intervenção na soberania do país.

    Além disso, ficou claro o preconceito de uma parte considerável da população que ficou menos alarmada com o discurso da Gleisi, do que com o meio de informação escolhido, a Al Jazeera. A identificação de um meio de comunicação árabe ao terrorismo nem precisa ser comentada.

    O comentador da rádio CBN, por exemplo, afirmou que Al Jazeera está ligada à "organizações militantes árabes", sem menor preocupação de citar qualquer fonte. 

    A senadora, é claro, rebateu a ofensiva de interpretações feitas de má fé no Senado. Não está claro, no entanto, se o seu discurso terá tanto potencial de viralização, quanto os memes e os vídeos que apelam para "apologia ao terrorismo".

    Por isso, sempre vale republicar as fontes e não ceder à avalanche de informações.

     

    Mais:

    O Estado tem chances contra as notícias falsas?
    Especialista: 'Brasil não precisa legislar sobre notícias falsas em eleições'
    Proteja-se, bombardeio com notícias falsas está em ação!
    O Papa Francisco afirmou que notícias falsas são um 'pecado muito sério'
    Tags:
    fake news, Al Jazeera, Ana Amélia, Gleisi Hoffmann, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik