12:21 23 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Soldado britânico durante as manobras Saber Strike na Lituânia

    12 anos infernais: 'Barbie de combate' britânica expõe abusos sexuais no exército (FOTOS)

    CC0 / Staff Sgt. Brett Miller/U.S. Army National Guard
    Sociedade
    URL curta
    7184

    A Miss Inglaterra, Katrina Hodge, teve um caminho de espinhos no exército britânico, sofrendo abusos sexuais aos 18 anos de idade. Agora, aos 30 e com filhos, a mulher decidiu compartilhar sua história com o Daily Mail.

    Apelidada de "raposa", ela recebia cartas de ódio e até foi atacada na cantina. Quando os superiores souberam dos abusos e da intimidação, que Hodge estava sofrendo, por parte de seus colegas, não fizeram nada.

    "Estes 12 anos foram um inferno para mim e não pretendo aguentar isso por mais tempo. Em 2018, não é admissível que uma mulher seja degradada deste jeito. É puro sexismo", explicou ao Daily Mail.

    Ao entrar no regimento de Pirbright, em Surrey, em 2004, ela acabou recebendo o apelido de "Barbie de combate" ao se apresentar com saltos altos, cílios falsos e uma mala rosa. Porém, no ano seguinte, ela mostrou de que era capaz: salvou a vida de seus cinco companheiros no Iraque quando o carro do seu grupo com um suposto rebelde se acidentou. O prisioneiro agarrou dois rifles, mas Katrina deu um soco na cara dele, fazendo com que ele perdesse as armas. Foi então que ela foi condecorada e as coisas pioraram.

    "Foi terrível. Sempre que passava por eles me chamavam em voz baixa de todos aqueles nomes infames como 'vagabunda', 'puta' e 'mentirosa'[…] Uma vez, entrei na cozinha e atiraram em mim uma lata de refresco. Consegui conter as lágrimas para não chorar na frente de todos, mas quando voltei ao meu quarto, me pus a chorar", comentou a mulher.

    Hodge recorda que naquele tempo tinha apenas 18 anos. Os algozes escreveram uma carta sobre ela com falsas acusações, fazendo cópias para todos os quartéis. O episódio chegou ao conhecimento do sargento-major. Katrina pensou que o exército conseguiria encontrar o responsável pela carta, mas acabou sendo transferida para outro regimento.

    Em 2009, Hodge foi eleita a Miss Inglaterra. Ela diz ter usado a publicidade para estimular mais jovens a se juntar ao exército e a conceder uma boa imagem às Forças Armadas. Mas a situação ainda piorou e alguns soldados começaram a julgá-la sem nem mesmo conhecê-la.

    Em 2015, quando já era cabo, a mulher decidiu já ter sofrido demais, abandonando o exército. Apesar disso, afirma, continua recebendo cartas de seus antigos colegas pela Internet.

    Atualmente, ela mora em Brighton (Reino Unido) e tem duas filhas — uma de três e uma de seis anos. Há pouco, apareceu uma postagem no Facebook, na página do Clube Militar Britânico, destacando o que ela fez pelas mulheres das Forças Armadas. Mas não tardaram a aparecer também comentários denegrindo-a, mais de 500, mesmo tendo passado 3 anos de sua saída do exército.

    "Sei que não sou a única vítima. […] Conheci outras sete soldadas que também sofreram abusos deste tipo."

    Katrina apresentou uma reclamação oficial ao Provedor de Justiça para as Forças Armadas. Espera que, desta vez, suas queixas sejam escutadas e levadas a sério.

    Hodge tem certeza que se os abusos que sofreu em 2005 tivessem ocorrido em 2018, coisas teriam se desenvolvido de outra maneira. O exército mudou, mas ainda há muito caminho a percorrer.

    Mais:

    Argentinas vão às ruas cobrar legalização do aborto
    Como Van Damme: mulher do porta-voz de Putin mostra habilidades de luta (VÍDEO)
    Tags:
    insulto, sexismo, exército, abuso sexual, Iraque, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar