04:10 22 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Greve servidores da Saúde no Rio

    Calote do Estado: Saúde do Rio continua em greve

    Tânia Rego/Agência Brasil/Fotos Públicas
    Sociedade
    URL curta
    650

    Os funcionários estaduais da Saúde no Rio de Janeiro vão manter a greve, iniciada em 1 de janeiro de 2017, por tempo indeterminado. Os servidores tomaram esta decisão por estar com os salários atrasados e por não terem mais condições de se deslocar de suas casas para os locais de trabalho, segundo Clara Fonseca, diretora do Sindisprev RJ.

    Para Clara Fonseca, que faz parte do colegiado dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Saúde, Trabalho e Previdência Social do Estado do Rio de Janeiro (Sindisprev RJ), não são os servidores que estão em greve mas sim o governo estadual é que está induzindo a categoria à paralisação:

    “A principal razão para a decretação da greve é a falta de pagamento. Nós estamos desde novembro com os nossos salários atrasados e, além disso, estamos enfrentando situações muito precárias nos hospitais do Estado. Está faltando tudo nos hospitais, inclusive (ou principalmente) material básico para curativos.”

    Ainda de acordo com Clara Fonseca, as dificuldades de pagamento começaram em meados de 2016 e a situação só se agravou:

    “Nós recebemos o mês de outubro de forma parcelada, assim como novembro, e não sabemos quando iremos receber dezembro e o décimo terceiro salário de 2016. É o governo que está fazendo a greve dos servidores da Saúde e não nós, servidores.”

    Clara Fonseca também informou que o Secretário Estadual de Saúde, o ortopedista Luiz Antônio de Souza Teixeira Júnior, tem conversado com os servidores da Saúde. O Secretário tem expressado sua vontade de resolver a questão mas a resolução está nas mãos do Governador Luiz Fernando Pezão.

    Nesta quinta-feira, 5 de janeiro, os servidores estaduais da Saúde vão se reunir às 10 horas no Largo do Machado (zona sul do Rio) de onde seguirão em passeata para o Palácio Guanabara, na Rua Pinheiro Machado, sede do governo estadual:

    “Esperamos ser recebidos em audiência pelo Governador. Saúde é um serviço essencial para a população e nós precisamos ter condições para trabalhar.”

    Mais:

    Perseguição policial no Rio agora é por cestas básicas
    Crise deixa festa de Réveillon no Rio mais curta
    Exclusivo: Freixo culpa 'pacote horroroso' do governo do Rio por guerra em frente à Alerj
    Alerj começa votar medidas de austeridade do Governo do Rio contra crise
    Tags:
    saúde, greve, servidores, Clara Fonseca, Brasil, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik