09:59 20 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Os tweets, escritos em inglês perfeito por Bana e sua mãe, Fatemah, contam da maneira dramática como é, supostamente, a vida em Aleppo oriental

    'Menina de Aleppo' que viralizou no Twitter é 'exemplo flagrante de propaganda'

    © AFP 2017/ Thaer Mohammed
    Sociedade
    URL curta
    389505432

    A conta de Twitter da menina Bana foi criada há 3 meses e desde então atraiu mais de 310 mil seguidores. Os tweets, escritos em inglês perfeito pela menina e sua mãe, Fatemah, contam da maneira dramática como é, supostamente, a vida em Aleppo oriental.

    Em uma entrevista exclusiva com a Sputnik, o ativista sírio Maytham al Ashkar afirmou estar convencido de que todos os relatos de Bana no Twitter, que têm sido amplamente divulgados por grandes meios de comunicação, não passam de um "exemplo flagrante de propaganda" contra o governo sírio.

    "Boa tarde de Aleppo, estou lendo para me esquecer da guerra"

    ​Bana já se converteu em uma espécie de ícone da guerra civil Síria, chegando ao ponto de ser qualificada pelo Washington Post como a "Anne Frank" [moça alemã de origem judaica, vítima de Holocausto, extermínio maciço de judeus, que virou conhecido após a publicação de seus diários] de Aleppo.

    "Temos a certeza de que o Exército Sírio está nos conquistando agora. Vamos nos reencontrar algum dia querido mundo. Tchau. — Fatemah"

    ​Entretanto, apesar da conta da menina síria ter sido verificada pelo Twitter, muitos têm questionado sua autenticidade.

    "Bana Alabed filmada por sua mãe para o novo post sobre a vida em Aleppo no Twitter"

    ​O ativista pró-governamental Maytham al Ashkar, que atualmente mora em Beirute, mas viaja frequentemente a Damasco e Aleppo, entrou em contato com Bada por via Twitter em 27 de novembro para lhe propor a sua evacuação junto com toda a família.

    "Quando entrei em contato com a conta de Bana, comecei a falar árabe, dado que somos todos sírios e o árabe é nossa língua materna, embora fosse óbvio que a pessoa que possuía a conta preferia o inglês como língua de comunicação", sublinhou Al Ashkar.

    Uma conversa via Twitter entre a conta de Bana e Maytham Al Ashkar
    © Foto: Maytham Al Ashkar
    Uma conversa via Twitter entre a conta de Bana e Maytham Al Ashkar

    A conversa começou em árabe mas logo passou para inglês já que imediatamente se tornou clara a falta de conhecimento de Bana da sua 'língua materna'.

    Uma conversa via Twitter entre a conta de Bana e Maytham Al Ashkar
    © Foto: Maytham Al Ashkar
    Uma conversa via Twitter entre a conta de Bana e Maytham Al Ashkar

    Explicou que, antes da conversa com ela, "tudo estava preparado para a evacuação da sua família". Al Ashkar também assegurou que estariam presentes meios de comunicação e das autoridades locais para garantir a segurança da menina.

    "As autoridades sírias acordaram em evacuá-los de Aleppo oriental para qualquer destino que escolhessem, inclusive para fora da Síria", recordou o herói.

    No entanto, depois de reclamar que Al Ashkar estava a "apressando", Bana acabou por rechaçar a proposta.

     Entretanto, isto não impediu a publicação do seguinte tweet:

    "Mensagem final – Estou muito triste por ninguém nos ajudar neste mundo, ninguém está me evacuando com a minha filha. Adeus. — Fatemah."

    ​"A menina é apenas um rosto, uma ferramenta usada pela inteligência britânica. Há uma estreita relação entre a conta de Bana e os Capacetes Brancos, que são financiados e patrocinados pelo Reino Unido", argumentou Al Ashkar.

    O usuário Ali Kourani publicou um tweet, perguntando “Olá @AlabedBana, você pode perguntar a seu pai por que ele faz amizade com jihadistas da Frente al-Nusra e Frente Fatah al-Sham?” e foi imediatamente bloqueado.

    ​Anteriormente, muitos usuários se questionaram por que motivo a conta de Bana tinha sido cadastrada no Reino Unido.

    "@AlabedBana Cara banana [alusão ao nome da menina, Bana], por que é que sua conta do Twitter foi cadastrada no Reino Unido e por que vc bloqueia pessoas por perguntá-lo?"

    ​Outro usuário conseguiu os metadados da conta e revelou que esta tinha sido criada no estrangeiro, de fato, no Reino Unido.

    ​Além de não terem obtido nenhuma resposta, estes usuários foram bloqueados logo depois de contatar com a página da menina.

    "Creio que a moça estava em Aleppo, mas agora já não está. Seu papel foi tirar fotos e vídeos e, uma vez que cumpriu sua tarefa, foi embora", concluiu.

    Mais:

    Residentes de Aleppo relatam experiências vividas durante a ocupação terrorista
    UNICEF: 2.700 crianças evacuadas de Aleppo em 24 horas
    Jornalista destaca histeria da mídia do Ocidente em torno da situação em Aleppo oriental
    Tags:
    falsificação, ocupação, propaganda, redes sociais, Guerra Civil Síria, Capacetes Brancos, Twitter, Bana Alabed, Aleppo, Síria, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik