12:54 20 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Pessoas fantasiadas de Papai Noel desfilam nas ruas de Nova York após o encontro SantaCon 2015 em McCarren Park, Brooklyn. 12 de dezembro.

    Psicólogos pedem aos pais para revelar verdade sobre Papai Noel

    © AFP 2018 / Timothy A. Clary
    Sociedade
    URL curta
    422

    Psicólogos estão espalhando um rumor vicioso – Papai Noel não existe. Eles pedem para que os pais não incentivem seus filhos a acreditar na existência do velhinho de barba branca.

    Milhões de crianças em todo o mundo acreditam que o Papai Noel exista, mas, agora, uma equipe de psicólogos crê que isso poderia ser prejudicial para as crianças, segundo a revista norte-americana Lancet Psychiatry.

    De acordo com McKay, professor da Universidade da Nova Inglaterra na Austrália, "a persistência das ilusões em histórias como Harry Potter, Guerras nas Estrelas e Doctor Who presentes na idade adulta demonstra o desejo de voltar na infância". 

    Os cientistas opinam que, quando as crianças descobrem que o Papai Noel não é real, elas possivelmente deixam de acreditar nos outros, perdem a fé em acreditar no que dizem para ela. É por essa razão que o artigo da Lancet Psychiatry reforça que "a confiança das crianças em seus pais pode ser prejudicada pelo Papai Noel". 

    Ao mesmo tempo, os psicólogos afirmam que, às vezes, mentir para as crianças pode ser a coisa certa a fazer. Por exemplo, quando um animal de estimação amado morre, é melhor dizer que o cachorro ou gato foi para um "lugar especial" (céu dos animais), ao invés de falar sobre a morte do animalzinho.

    Independentemente do que os sabichões de jalecos dizem, se o Papai Noel não existir, quem vai entregar os presentes para as crianças em todo o mundo na véspera de Natal?

    Mais:

    Apoiadores de Trump boicotam Starbucks comprando mais café
    Fã de Harry Potter tenta entrar em vaso sanitário para chegar ao Ministério da Magia
    Tags:
    Natal, papai noel, psicologia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik