12:24 09 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    691
    Nos siga no

    O avô do presidente recém-eleito dos EUA, Donald Trump, foi expulso da região alemã do Palatinado, diz um documento histórico encontrado no arquivo nacional da região da Renânia-Palatinado.

    O documento é uma disposição datada de 27 de fevereiro de 1905 que ordena "ao cidadão e aposentado norte-americano Friedrich Trump, que se encontra em Kallstadt" de abandonar o território da Baviera (que então incluía a região do Palatinado) até 1 de maio, em caso contrário ele será deportado. Segundo historiadores locais, Friedrich Trump, que mais tarde mudou seu nome para Frederick, abandonou o Palatinado em 1885, sem anular seu registro no local de residência e sem prestar serviço militar, partindo para os EUA. Por isso, quando em 1905 ele tentou voltar para a sua pátria, a autorização de residência foi-lhe recusada.

    Entretanto, o avô do presidente recém-eleito queria regressar à Alemanha como um homem rico – nos EUA ele enriqueceu com atividades no garimpo de ouro e depois abriu um restaurante e, segundo alguns dados, um bordel. Durante a sua curta estadia no Palatinado em 1901, ele casou com a jovem Elizabeth, levando-a para os EUA. Foi por iniciativa de sua mulher que ele tentou voltar para Kallstadt em 1905.

    Depois de receber a disposição com a ordem de abandonar o Palatinado, Friedrich Trump escreveu uma carta ao príncipe-regente Leopoldo na qual o chamou de "querido, nobre, sábio e justo soberano". Contudo, o príncipe negou o pedido de Trump. A família de Trump abandonou a Alemanha de forma definitiva em 1 de julho de 1905. Três meses depois, em Nova York nasceu o pai de Donald Trump – Fred Trump.

    Mais:

    Mansão de Trump recebe proteção do esquadrão antibomba de elite
    Putin sobre Trump: ‘existe diferença entre retórica eleitoral e política real’
    Trump pode vir a corrigir o maior fracasso de Obama
    Tags:
    migrantes, presidente, Donald Trump, Alemanha, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar