15:57 18 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    009
    Nos siga no

    Com o começo dos ataques aéreos dos EUA no Afeganistão em 2001 contra posições de militantes no país, os civis estavam esperançosos que a guerra pudesse acabar. Mas isso não aconteceu.

    Até hoje os habitantes locais sofrem as consequências da guerra, que até então não há perspectivas de término.

    O camponês Nagahan do povoado Arghandab (província de Kandahar), localizado no sul do Afeganistão, sobreviveu aos ataques de 7 de outubro de 2010.

    Era o quarto dia da festa muçulmana do Sacrifício. Às 9 da manhã, Mahommad Nagahan, de 27 anos, apesar de ser feriado, estava trabalhando na vinha perto da sua casa. Familiares e amigos estavam ao seu redor, quando de repente começaram os ataques dos bombardeiros. Explosões de mísseis dominaram a área, até então nunca atacada. Depois de três horas, ele e outros sobreviventes, cobertos de sangue e cercados pelos mortos, foram levados ao hospital do “polígono de fuzilamento”.

    Mesmo em seu pior pesadelo, Mahommad nunca tinha chegado a imaginar que a sua vinha chegaria a se tornar um polígono de fuzilamento. No seu local de trabalho, ele perdeu ambas as pernas.

    "Eu ainda escapei facilmente", disse em entrevista à Sputnik Dari.

    No ataque aéreo de 7 de outubro de 2010, morreram 13 compatriotas de Mahommad e outros 16 ficaram seriamente feridos. A maioria das vítimas eram primos, primas e amigos dele. 

    Seis anos se passaram. Os ferimentos ainda doem. Após passar um ano no hospital, Mahommad disse que perdeu muito sangue e que, por falta de dinheiro, não fez cirurgias que deveriam ter sido feitas. Ele continua tomando anestésicos.

    O entrevistado lembra que, logo após o bombardeio, a chefia das Forças Armadas dos Estados Unidos admitiu que a iniciativa de lançamento de bombas contra civis foi um erro, pediu desculpas e prometeu prender os pilotos responsáveis pelos ataques e cobrir os gastos das despesas médicas, durante três meses, das vítimas. A promessa de ajudar as vítimas não foi cumprida até hoje.

    "Eu só sei que eles não cumpriram suas obrigações referentes a nós. Eles jogaram um pouco com a gente e nos abandonaram à própria sorte. O ataque aéreo destruiu todos os nossos pertences: plantações, casas, instrumentos", contou.

    O entrevistado foi obrigado a se mudar de sua aldeia para Kandahar. Trabalhou por um tempo como alfaiate e depois abriu uma pequena padaria, de onde tira o sustento para alimentar seu pai e irmão mais novo. Trabalhar se tornou uma prática difícil para Mahommad, pois agora ele só tem metade do corpo.

    Mahommad Nagahan
    © Foto / Kasra Rouyee
    Mahommad Nagahan

    Mais:

    Explosão no Afeganistão fere soldados americanos
    Tags:
    Afeganistão, EUA, bombardeio
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar