21:43 19 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Mercado em Espanha

    Filé com LSD ou ketchup com pelo de rato: com o que nos alimentam as multinacionais?

    © flickr.com / Frau Mutant
    Sociedade
    URL curta
    0 81

    O escândalo em torno do chocolate Kinder aterrorizou toda a Europa. Há apelos para proibir barras de Kinder Chocolate, após a descoberta de que elas continham vestígios de um óleo potencialmente causador de câncer.

    A organização alemã de proteção de alimentos Foodwatch descobriu que o Kinder Reigel continha óleos aromatizantes minerais (MOAH), obtidos da refinação de petróleo, que podem ser cancerígenos.

    "Não existem níveis aceitáveis de óleos minerais em alimentos para consumo", disse Johannes Heeg, membro da Foodwatch, ao portal The Local.

    "Você não pode vê-lo, você não pode prová-lo, mas ele está lá", acrescentou Heeg.

    Vamos dar uma olhada em alguns dos outros grandes escândalos alimentares que eclodiram e chocaram o mundo na história recente.

    Carne de cavalo em vez de bovino

    Em 2013, vestígios de carne de cavalo foram encontrados em produtos vendidos em um número de supermercados do Reino Unido, incluindo quatro produtos de marca Tesco.

    Depois de o escândalo surgir no Reino Unido, em seguida ele tocou mais 15 países da UE.

    O principal perigo de consumir cavalo é que contém fenilbutazona. Este medicamento é usado para tratar cavalos, portanto, é extremamente perigoso para a saúde humana.

    Por ordens da Comissão Europeia, foi necessário submeter a testes de DNA toda a carne entrada para o mercado da UE durante vários meses se para determinar a sua composição exata.

    Ketchup com pelo de rato

    Em 2013, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) detectou a presença de pelos de roedores em embalagens do Tomato Ketchup da marca Heinz. O lote do produto foi retirado imediatamente de todas as lojas. O produto analisado era de origem mexicana. 

    Carne de burro, alguém quer?

    Após o incidente com carne de cavalo, as lojas europeias receberam carne de burro. De acordo com especialistas franceses, poderia ter vindo de Romênia através de intermediários em Chipre.

    A carne de burro era misturada com carne de cavalo e outros tipos de carne para fazer hambúrgueres que foram depois vendidos no Reino Unido e na Suécia.

    De acordo com o jornal britânico The Independent, o aparecimento da carne barata de cavalo e burro no mercado europeu foi resultado de uma nova lei, segundo a qual as estradas federais na Romênia proibiram usar carros puxados por cavalos.

    "Os cavalos foram proibidos de aparecer nas estradas e milhares de animais foram para o matadouro", disse o vice-presidente da Comissão Europeia para a Agricultura, José Bové.

    Filé com LSD

    Um caso escandaloso ocorreu em março de 2014, quando uma família na Flórida, EUA, sentiu sintomas estranhos alucinógenos depois de comer um bife ao jantar. O hospital informou que tinham sido tratados com LSD.

    Como o caso recebeu repercussões na mídia internacional, detetives tentaram descobrir como a droga alucinógena tinha sido encontrada na carne bovina.

    Os investigadores recolheram amostras de carne em toda a rede comercial Walmart e interrogado suspeitos. Além disso, usaram vídeos das câmeras de vigilância no supermercado. No entanto, os agentes federais não conseguiram descobrir como uma dose tão potente de LSD entrou no pacote de carne bovina.

    80% das galinhas são infectadas

    Em novembro de 2014, um especialista britânico no campo da qualidade dos alimentos, o professor Tim Lang, apelou aos cidadãos para não comprarem frangos em supermercados por causa de níveis "ultrajantes" da bactéria Campylobacter.

    Em uma entrevista ao jornal Guardian, Lang disse que oito de cada dez galinhas estavam infectadas com microrganismos potencialmente perigosos.

    A Campylobacter é uma das principais causas de gastroenterite em todo o mundo. A infecção pode levar a complicações graves, como a síndrome de Guillain-Barré, uma doença do sistema nervoso periférico.

    Chocolate de plástico

    Em fevereiro de 2016, o grupo norte-americano Mars retirou da venda suas barras de chocolate em 55 países, depois de nelas se encontrar plástico.

    A Mars fez o anúncio depois que um cliente encontrou um pedaço de plástico vermelho em uma barra de chocolate comprado na Alemanha em 8 de janeiro. Depois que ele se queixou à empresa, o plástico foi rastreado até à fábrica na cidade holandesa de Veghel, onde foi determinado que a peça veio de uma tampa de proteção utilizada no processo de fabrico.

    Alimentos de vidro

    Em março de 2016, a empresa suíça Nestlé retirou uma série de produtos alimentares, devido a possível contaminação com vidro.

    De acordo com a Nestlé, objetos estranhos foram encontrados no espinafre. Os produtos das marcas DiGiorno, Lean Cuisine e Stouffer foram suspensos. Não há dados sobre qualquer vítima.

    Mais:

    China proíbe venda de alimentos derivados de animais em extinção
    Brasil está entre dez países que mais desperdiçam alimentos no mundo
    Tags:
    Segurança Alimentar, alimentação, UE, Brasil, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar