23:00 22 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    5171
    Nos siga no

    Uma mulher brasileira, Jesuína dos Santos Cardoso, de 120 anos, pode ser a mulher mais velha do mundo.

    Moradora do estado do Paraná, ela nasceu em 30 de janeiro de 1896 na cidade de Reserva. Atualmente, Jesuína mora em Rio Branco do Ivaí, a 300 quilômetros de Curitiba, com a neta, de 53 anos. Ela tem 36 netos, 63 bisnetos e 44 tataranetos. Três de seus filhos, dos 15 que teve, ainda estão vivos.

    Recentemente, o Instituto Nacional de Seguro Nacional (INSS) em Apucarana bloqueou a aposentadoria dela por suspeita de que ela já tivesse morrido. Ao se apresentar na agência, os funcionários ficaram pasmados com a idade da mulher e recomendaram que Jesuína fosse incluída no Livro de Recordes do Guinness.

    O advogado Valdir Correia dos Santos enviou para o Guinness uma certidão antiga de Jesuína, mas pediu uma certidão atualizada do Livro de Registros, porque 1896 eram outros tempos. Agora o advogado espera a chegada do documento para provar que Jesuína é a pessoa mais velha ainda viva.

    A neta disse que a Jesuína sempre teve boa saúde e só foi ao médico depois dos 100 anos, quando passou a tomar remédio para o coração e a tensão.

    "Até os 110 anos ainda pegava lenha para acender o fogo", disse Dalíria.

    Segundo a neta, o segredo da longevidade de Jesuína é comida sem conservantes.

    "O milho, feijão, legumes, verduras e frutas, ela e o marido plantavam. Também criavam galinha e um porquinho. Era tudo sem conservantes".

    Jeanne Calment, mulher mais velha do mundo, morreu em 1997, aos 122 anos.
    © AFP 2019 / Georges Gobet
    Jeanne Calment, mulher mais velha do mundo, morreu em 1997, aos 122 anos.

    Hoje o recorde mundial de idade pertence à francesa Jeanne Calment, que morreu em 1997, aos 122 anos. Emma Morano, da Itália, nascida em 1899, está registrada no Livro dos Recordes como mulher velha do mundo ainda viva.

    Tags:
    Guinness Book, Paraná, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar