22:32 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Um velho observa mulheres de saias mini, Nice, França, 1969

    Pesquisa: 50% das francesas abandonaram saias depois de sofrerem assédios sexuais

    © AFP 2017/ STAFF
    Sociedade
    URL curta
    705

    Metade das mulheres francesas preferem vestir calças em vez de saia, quando usam transportes públicos, para evitarem ser vítimas de assédios sexuais, diz o estudo realizado pela Federação nacional de associações de usuários de transportes (Fnaut).

    Além disso, 87% das entrevistadas disseram que anteriormente tinham sido vítimas de assédios sexuais na hora de usarem transportes públicos. Eram agredidas verbalmente, se tornaram alvo de perguntas intrusivas, insultos e ameaças, e até vítimas de violências sexuais.

    Apesar de que 86% de agressões ocorreram na presença de outras pessoas, na maioria esmagadora de casos (89%) ninguém fez tentativas de ajudar as vítimas, diz o estudo.

    Participaram da pesquisa mais de 6000 mulheres, que confirmam – o receio de serem agredidas sexualmente muda completamente a postura delas. Das entrevistadas 48% disseram, que na hora de viajar no metrô, ônibus ou trem, elas trocariam suas roupas preferidas por calças e cobririam decotes com um cachecol ou outro assessório.
    De todas as entrevistadas somente 2% comunicaram os assédios à polícia, mesmo que 70% dos casos representem crimes reais.

    Uma das vítimas declarou à Fnaut, que no metrô evita entrar em carruagens cheias de homens.

    "Prefiro evitar ficar sozinha na companhia de homens, pois sei o que acontece logo depois", disse a entrevistada, citada por uma edição francesa Local.

    De acordo com ela, os homens no metrô de Paris costumam regularmente trocar de lugar e incomodar as meninas com conversas, fazendo com que elas fiquem contra a parede.

    Segundo a edição, apesar de várias campanhas governamentais, que visam eliminar o fenômeno de assédios sexuais nos transportes públicos, esse vício continua atingindo o país.

    Mais:

    Mais uma praga: terroristas com HIV em Mossul
    Ato contra abuso sexual em Copacabana espalha 420 calcinhas na areia
    Nadador que estuprou mulher inconsciente é condenado a seis meses de prisão
    OAB/Mulher: ‘Mais do que um estupro, foi um crime de ódio contra as mulheres’
    Tags:
    assédio sexual, violência contra mulheres, mulheres, pesquisa, estudo, Fnaut, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik