19:49 15 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Favela nas Filipinas

    Adeus, Adam Smith

    © AFP 2017/ NOEL CELIS
    Sociedade
    URL curta
    6113

    Um em cada três latino-americanos corre o risco de retornar à pobreza devido à recessão econômica, depois de 15 anos de melhorias, destaca relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), culpando a desaceleração econômica e falta de uma rede de políticas consistentes.

    Na estimativa do PNUD, existe na América Latina uma população entre 25 e 30 milhões de cidadãos que se encontram hoje em vulnerabilidade e em risco de cair na pobreza, ou seja, uma em cada três pessoas que saíram da pobreza nos últimos 15 anos.

    No relatório "Progresso Multidimensional: Bem-Estar para Além das Receitas", a agência da ONU destaca que as políticas públicas de há uma década, baseadas na educação e na criação de emprego, ajudaram a reduzir a pobreza, porém não conseguiram eliminar a desigualdade social. Hoje em dia, de acordo com analistas, são insuficientes uma vez que o mercado laboral está saturado e as nações do continente enfrentam restrições orçamentais.

    "A América Latina foi muito inovadora nos últimos 15 anos em termos de política social e laboral, mas acreditamos que hoje, mais do mesmo — mais crescimento econômico — não gerará necessariamente mais redução da pobreza e da desigualdade, ou pelo menos, ao mesmo ritmo do que no passado", afirmou o principal autor do estudo, o economista-chefe do PNUD, George Gray.

    Para evitar uma recaída econômica de 30 milhões de pessoas, o organismo recomenda aos governos que repensem a noção tradicional de progresso e que abandonem as políticas públicas que tenham o Produto Interno Bruto (PIB) per capita como único indicador de desenvolvimento.

    De acordo com o documento, as novas políticas públicas têm que aumentar a resiliência dos cidadãos e centrar-se na melhoria de quatro fatores fundamentais: proteção social, cuidados de saúde, qualidade laboral e acesso a ativos físicos e financeiros como uma casa, um carro ou uma conta de poupança, que atuam como amortecedores durante as crises.

    "Nenhuma das conquistas sociais e econômicas recentes alcançadas na região foi produto do 'laissez faire'", adverte o estudo em referência à teoria econômica liberal do escocês Adam Smith, segundo a qual o Estado deve deixar a economia para o livre mercado.

    Na avaliação da Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (CEPAL), a atividade econômica regional vai registrar em 2016 uma redução pelo segundo ano consecutivo e cairá 0,6%, com diminuição do consumo, da demanda interna e dos preços de matérias-primas. Além disso, o desemprego aumentará 7% em 2016, depois de alcançar em 2015 a marca de 6,5%, o pior resultado em seis anos.

    O PNUD alerta ainda em seu documento que há alguns grupos sociais que permaneceram na pobreza e marginalidade.

    Indios 3
    Fabio Pozzebom/Agência Brasil

    De acordo com o relatório, os indígenas, afrodescendentes, camponeses, jovens, mulheres e minorias sexuais não puderam atingir o progresso em igualdade de condições, já que seu acesso ao mercado de trabalho se vê condicionado por vários fatores.

    "Os fatores determinantes da saída da pobreza são diferentes dos fatores determinantes de recaída na pobreza", concluiu a diretora regional do PNUD.

    Mais:

    Conheça o ranking das 300 melhores universidades latino-americanas
    Conheça os bilionários do BRICS
    Venezuela rechaça relatório ‘difamatório’ dos EUA sobre terrorismo
    Tags:
    estudo, política social, política econômica, pobreza, economia, relatório, Cepal, ONU, PNUD, América Latina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik