15:21 23 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Teste nuclear

    De onde vêm os pesadelos: Sputnik dá uma olhada dentro de uma ogiva nuclear

    © flickr.com/ all_usernames_are_taken
    Sociedade
    URL curta
    146298376

    Os mísseis balísticos intercontinentais podem parecer enormes, mas os foguetes e os sistemas eletrônicos sofisticados que eles carregam são projetados para controlar ogivas nucleares relativamente pequenas: a ogiva em si é um cone de pouco mais de um metro de altura.

    Por mais estranho que possa parecer, a arma mais poderosa do mundo é muito compacta, dado que uma carga termonuclear com uma capacidade de 300 mil toneladas é, pela forma e tamanho, semelhante a um simples balde., escreve o jornal russo Rossiiskaya Gazeta.

    Além da carga, a ogiva nuclear contém um bloco de controle cilíndrico, que executa várias tarefas.

    O seu objetivo principal é detonar a carga a uma altitude específica, estritamente determinada. As armas nucleares não são destinadas a ser usadas na superfície da terra. A altitude adequada para a criação de uma onda de choque é 1.200 metros.

    Shell, a réplica da maior bomba nuclear soviética detonada, a AN-602 (Tsar-Bomb), em exposição em Moscovo, Rússia, 31 de agosto de 2015
    © REUTERS/ Maxim Zmeyev
    Shell, a réplica da maior bomba nuclear soviética detonada, a AN-602 (Tsar-Bomb), em exposição em Moscovo, Rússia, 31 de agosto de 2015

    O sistema automático do bloco de controle dirige os motores e controla a estabilização da carga termostática do plutônio nuclear (WGP), que pode aquecer em estado de pouca atividade.

    Além disso, o cone da ogiva contém uma rede de fornecimento de eletricidade e de proteção do pulso eletromagnético.

    B-61, a bomba nuclear mais antiga no arsenal dos EUA
    Wikimedia Commons
    B-61, a bomba nuclear mais antiga no arsenal dos EUA

    Todo este equipamento está firmemente instalado nos amortecedores e está dentro de uma estrutura sólida, coberta com uma espessa camada de isolamento.

    A primeira A-bomba de 1949. Centro Nuclear Federal russo. Reprodução
    © Sputnik/
    A primeira A-bomba de 1949. Centro Nuclear Federal russo. Reprodução

    A carga termonuclear e o bloco de controlo interagem continuamente um com o outro, um "diálogo" que começa imediatamente após a instalação da ogiva no míssil e termina quando a ogiva é detonada.

    Durante todo esse tempo, o bloco de controle prepara a carga para detonação e, no momento certo, dá a ordem final.

    A bomba termonuclear é exibida no museu de armas nucleares no Centro Russo Nuclear Federal na região de Nizhny Novgorod
    © Sputnik/
    A bomba termonuclear é exibida no museu de armas nucleares no Centro Russo Nuclear Federal na região de Nizhny Novgorod

    Quando colocada em alerta de combate, a ogiva de um míssil é equipada com um ativador de pulso neutrônico, detonadores e outros equipamentos. Manter tal míssil em um silo ou em uma plataforma de lançamento móvel é perigoso. É por essa razão que a ogiva é preparada para detonação apenas durante o voo do míssil.

    Explosão nuclear
    © flickr.com/
    Explosão nuclear

    Isto ocorre passo a passo, com a ajuda de algoritmos complicados baseados em duas condições básicas: a confiabilidade do movimento para o alvo e o controle do processo. Caso qualquer um destes fatores se desvie dos valores calculados, o processo de pré-detonação será abortado imediatamente.

    O lançamento de míssil submarino Trident II
    O lançamento de míssil submarino Trident II

    Uma explosão nuclear ocorre em segundos. Voando à velocidade de uma bala, a ogiva passa apenas a algumas centésimos de segundo antes de todo o poder de uma carga termonuclear seja convertida em luz, fogo, onda de choque e radiação com uma força terrível, conclui o jornal.

    Mais:

    Rússia e China manifestam preocupação em relação ao programa nuclear norte-coreano
    Televisão russa revela arma nuclear secreta
    Barack Obama admite arma nuclear iraniana após os 10 anos de congelamento
    Tags:
    funcionamento, mecanismos, ogiva nuclear, arma nuclear
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik