06:14 26 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    0 01
    Nos siga no

    Atualmente, as pessoas têm menos sexo, e com esta tendência continuando, até ao ano de 2040, uma pessoa normal poderá ficar sem sexo nenhum. E a razão para isso, de acordo com sexólogos, acadêmicos, colunistas e blogueiros, é que o Reino Unido está se tornando em uma "nação de monitor", obcecada por seus dispositivos mas não por sua vida íntima.

    Uma pesquisa nacional sobre atitude sexual e modo de vida (NATSAL) do Reino Unido, realizada nos anos 1990-2012 entre 45.000 pessoas e divulgada no jornal The Lancet, revelou que a frequência dos contatos sexuais nos casais diminuiu.

    "Se reporta que hoje em dia os ingleses têm sexo com menos frequência", informa o jornal.

    Segundo o site Sex by Numbers, "os especialistas pensam que nossa relação excessiva com o mundo digital pode diminuir as relações em um quarto".

    Recentemente, o professor David Speigelhalter disse, no Festival Literário de Hay-on-Wye, no Reino Unido: "Foram questionados casais sexualmente ativos, entre 16 e 24 anos, e a média foi cinco vezes no último mês em 1990, quatro vezes em 2000 e apenas três vezes em 2010".

    "A este ritmo, até 2030 os casais não vão ter sexo nenhum. É uma tendência muito preocupante… Penso que a razão seja a caixa, a Netflix [provedor global de filmes e séries de televisão]. ‘Meu Deus, devo assistir a segunda temporada da "Guerra dos Tronos"".

    "O ponto é que essa dependência forte, a verificação constante de seus telefones, que não tínhamos apenas alguns anos atrás, quando a transmissão parava às 22:30 e não havia nada a fazer. Mesmo o corte de energia salva. Atualmente, as pessoas têm menos sexo", disse o professor.

    Entretanto, a especialista de encontros e blogueira Naomi Lewis afirma que não são apenas os shows de TV que matam a vida sexual, mas a tecnologia em geral.

    "A tecnologia se tornou a terceira pessoa nas relações, quer seja televisão ou smartphone. Algumas pessoas têm sempre que tê-lo ligado", disse Lewis à Sputnik.

    "Somos uma geração preguiçosa. As pessoas gostam de se sentar e assistir à televisão… Cada um está na mídia social. Precisamos começar a desligar e ter interações reais no mundo real para guardar viva a vida sexual".

    A colunista Katy Horwood também está preocupada com a mídia social, a Internet e o tempo passado com um monitor."Uma coisa clássica nos nossos dias é pessoas na cama com seus telefones. Não pode ter sexo com alguém que está no seu Twitter, pois não?"

    Horwood crê que relações sexuais estão lutando contra o século digital e a proliferação da mídia social.

    "A cultura da selfie é horrível. Não compreendo isso… Esta “sociedade de tela” em que vivemos, onde cada pessoa sempre está olhando para seu celular. Claro que isto afetará a nossa maneira de comunicar fisicamente".

    Mas ela ainda tem esperança.

    "As pessoas ainda têm esse instinto animal e querem ter sexo. Então, espero que isso preserve nossa vida sexual".

    Tags:
    Reino Unido, sexo, TV, relações, televisão, tecnologias
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar