06:01 24 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Mulher mostra um novo smartphone feito pela manufaturadora chinesa Huawei, Londres, Reino Unido, abril de 2016

    Medidas de segurança ou controle total? China altera condições de uso de telefonia móvel

    © AFP 2019 / JACK TAYLOR
    Sociedade
    URL curta
    181

    As autoridades da China obrigarão todos os usuários dos serviços de telefonia móvel do país a usar os seus nomes reais na etapa de cadastro, diz-se no comunicado do Ministério de Indústria e Informatização da China.

    Os usuários de celulares devem terminar o registro junto com os seus provedores de telefonia até 30 de junho de 2017. O ministério obrigou os provedores a verificar de forma escrupulosa a identidade, regras de registro, bem como a aplicação de entrega de vários cartões SIM com o único documento de identidade. Se o usuário se recusar de se registrar até o prazo marcado, poderá ser privado de serviços de telefonia móvel.

    Estúdio de filmes de animação Wizart Animação
    © Sputnik / Vladimir Pesnya
    Segundo os dados oficiais, este passo é necessário para proteger usuários de fraude com o uso de celulares.

    Entretanto, já passado algum tempo que a Rússia introduziu medidas adicionais em relação de registro de cartões SIM. O problema é que o volume de venda de cartões ilegais, ou seja sem a celebração de um acordo especial entre usuários e provedores, na Rússia é bastante grande, o que contribui não somente para crimes de fraude via aparelhos móveis, mas também pode fazer mais real a ameaça terrorista.

    A China é famosa pelas suas medidas restritivas no mundo digital. Durante 2015 a China fechou mais de 28 mil sites que divulgam materiais inapropriados. Além disso, as autoridades liquidaram 15 milhões de publicações ilegais. Nos últimos anos a China adotou uma série de leis que obrigam a mídia e empresas da Internet realizar controle sobre a qualidade de informações publicadas na Internet.

    Tags:
    celular, telefonia, medidas, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar