06:14 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Stéphanie Tavares

    Moça sem medo: três anos, 201 países, três recordes mundiais

    © Foto: Stéphanie Tavares
    Sociedade
    URL curta
    250

    Stéphanie Tavares de Vaudreuil, Quebec (Canadá), tem 22 anos e em junho se formará na Universidade Bishop. O seu objetivo é quebrar três recordes mundiais com a sua viagem à roda do mundo. A Sputnik falou com ela – apresentamos a íntegra da nossa conversa.

    Sputnik: Quando começa a viagem e quando você a decidiu realizar? 

    Stéphanie Tavares: a minha viagem começará na tarde de 26 de junho com o voo para Reykjavík, Islândia.

    Viajar por todos os países do mundo é um sonho eu sempre tive, mas parecia irrealista. Este ano eu comecei a pensar sobre isso mais e mais porque eu sabia que vou me formar em junho. Eu comecei a ler muito mais sobre viagens e a planejar isso lentamente durante todo o ano, mas foi só em abril passado que eu tomei a decisão definitiva em relação à viagem.

    S: Poderia descrever a rota principal da viagem? Em que continente começará e qual será a ordem de países para visitar?

    ST: Eu voo para a Europa e o meu ultimo país na Europa será Portugal. Eu devo lá chegar aproximadamente em dezembro de 2016. Depois eu parto para Marrocos, África. Depois vou me dirigir para o Oriente Médio, Ásia, América do Sul, América Central e Caraíbas, e vou acabar a minha viagem nos Estados Unidos da América. (Eu tenho um plano aproximado da minha rota na Europa e África, vou enviar imagens dela).

    • Rota de Stéphanie Tavares
      Rota de Stéphanie Tavares
      © Foto: Stéphanie Tavares
    • Rota de Stéphanie Tavares
      Rota de Stéphanie Tavares
      © Foto: Stéphanie Tavares
    1 / 2
    © Foto: Stéphanie Tavares
    Rota de Stéphanie Tavares
    S: Qual é o objetivo principal da viagem? Será que tem alguma mensagem a dizer ao mundo?

    ST: Muitas pessoas têm medo de viajar e têm medo de países distantes. Quando eu anunciei que pretendia a viajar, especialmente como mulher sozinha, a maioria de pessoas estava preocupada e muitas me advertiram sobre possíveis ameaças. O que eu quero mostrar com esta viagem é que o mundo é um lugar muito melhor do que pensamos. E que nós, como mulheres, podemos viajar em qualquer lugar do mundo. Eu quero dar poder às mulheres para acreditarem em si mesmas e em seus sonhos!

    Eu também vou tentar quebrar vários recordes mundiais com esta viagem:

    A primeira mulher a visitar todos os países do mundo em uma única viagem; a pessoa mais jovem que visitou todos os países; a pessoa mais rápida que visitou todos os países.

    S: O que inspirou você para realizar tal viagem?

    ST: As viagens é minha paixão maior, eu fico imensamente grata por poder viajar. Para mim, as viagens são uma forma de conhecer novas culturas e saber mais sobre o mundo. Não há melhor educação do que mergulhar em uma nova cultura e aprender sobre a sua geografia, política, problemas, alegrias, comida, religião, etc. 

    S: Será que a sua ascendência portuguesa tem algo a ver com a história dos navegadores portugueses, por exemplo, Fernão de Magalhães, que realizou a primeira circunavegação da Terra?

    ST: É uma coisa incrível pensar que alguns dos meus antecessores foram grandes viajantes. Eu espero que, com esta expedição, também consiga deixar uma herança para gerações futuras.

    S: Qual é o seu orçamento para a viagem? Tem financiamento coletivo?

    ST: Ao planejar uma expedição tão grande foi imensamente difícil saber exatamente o custo da viagem, considerando todas as variáveis que devem ser pagas. Mesmo assim, eu estimo que a expedição custe entre 30 e 70 mil dólares. Atualmente eu procuro patrocínios corporativos para ajudar a minha expedição. Até o momento, a Jet Setter (loja de artigos para viagens em Montreal) e a Eureka! (empresa de camping) estão me oferecendo todo o equipamento para a viagem. Eu espero que durante a minha expedição achar mais patrocínios. Eu ainda não abri uma página de financiamento coletivo, mas muitas pessoas me encorajam a fazer isso; assim vou criar uma página em breve.

    S: Será que você vai registrar a sua viagem? Que redes sociais você acha melhor para este fim?

    ST: Vou registrar a minha viagem em várias redes sociais! Atualmente eu tenho páginas no Facebook, Instagram e Snapchat preparadas para a expedição (todas sobre o nome @solooosteph). Quando eu tiver vídeos eu também vou criar um canal de YouTube. Pessoalmente, eu acho que Facebook seria melhor para tal tipo de expedição, porque é muito fácil de compartilhar, eu conseguirei postar fotos, vídeos e realizar concursos giveaway. Também conseguirei realmente interagir com as pessoas que estão me seguindo!

    S: O que pode fazer você desistir de sua ideia?

    ST: Eu estou muito motivada a realizar a viagem. A única coisa que poderia me fazer desistir da ideia é a falta de fundos ou alguma doença/morte na família.

    S: Qual é o seu plano para viajar em países perigosos em meio de guerras, tipo Somália, Síria, Iraque, etc.? Como você escolherá as rotas mais seguras e será que vai pedir ajuda oficial nesses países?

    ST: O meu plano para os países mais perigosos ou nos quais atualmente há guerra é ficar continuamente atenta à situação no local, bem como ter uma estratégia de entrada e saída rápida. Até o momento eu falei com várias pessoas que atualmente vivem na Síria sobre a situação atual no país. Eles me informaram de que há uma rota segura atualmente, de Beirute, Líbano até Damasco. Quando estiver mais perto destes países, irei verificar que as rotas que eu gostaria de ir são as mais seguras.

    S: Será que você planeja visitar países não reconhecidos ou parcialmente reconhecidos tipo Kosovo, Abecásia etc.?

    ST: Atualmente há 193 países nas Nações Unidas. Mesmo assim, eu decidi visitar um total de 201 países, contando tais países como o Vaticano, o Kosovo, a Palestina e o Saara Ocidental.

    S: De que forma um país é considerado como visitado por você? Visitar um aeroporto de uma capital não conta, certo?

    ST: Não faria nenhum sentido eu me se sentar em um comboio dizendo que visitei 10 países em um dia só. Eu quero fazer diferentes atividades em cada país e visitar a sua capital. Com 201 países e mais de três anos eu tenho cerca de quatro dias por cada país. Em uns vou passar um pouco menos tempo, em outros posso passar uma ou duas semanas, mas o meu alvo é passar pelo menos 24 horas em cada país.

    S: O que espera da viagem?

    ST: O que eu pessoalmente espero é crescer como pessoa, conhecer mais sobre o mundo e aproveitar o meu tempo como pessoa livre. O que espero em uma escala maior é inspirar as pessoas não só para viajar, mas também a acreditar em si mesmas e em seus sonhos, não importando que estes possam parecer impossíveis. Com esta viagem eu também tenho parceria com a Tostan, uma organização de caridade focada em direitos humanos através de Programas de Autonomização das Comunidades. Assim, eu quero aumentar um pouco a sensibilização e o dinheiro para este projeto internacional.

    Planalto Putorana
    © Foto: Vladimir Maximov, St. Andrew flag Film Company, http://www.mamm-mdf.ru/
    S: Tendo em conta que a maioria dos nossos leitores é do Brasil, será que você poderia dizer mais sobre a sua futura visita a este país – quando vai passar por lá? Que cidades planeja visitar? O que acha e sabe sobre o Brasil?

    ST: Eu planejo ficar no Brasil aproximadamente em fevereiro de 2019. Há muitos lugares que eu estou entusiasmada para visitar no Brasil! Eu quero passar um pouco de tempo em São Paulo, Rio de Janeiro e Recife. Eu também aguardo com ansiedade ver Cataratas do Iguaçu! Não sei muito sobre o Brasil, mas acho que o país é maravilhoso e eu estou imensamente ansiosa para saber mais sobre o país e as pessoas!

    Tags:
    entrevista, turismo, Terra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik