02:48 20 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Aula na escola fundamental

    Coerções físicas e morais levam professora à justiça

    © Sputnik / Alexey Malgavko
    Sociedade
    URL curta
    0 0 0

    A polícia criminal iniciou um processo penal contra uma professora da escola fundamental da cidade de Zlatoust, na interior da região de Chelyabinsk, nos Urais, suspeita de violência e práticas abusivas na sua atividade profissional.

    É incriminado à professora, em particular, a modificação do programa de ensino tornando-o mais complicado de que o aprovado pelas autoridades, assim como o fato de dar aos seus alunos trabalho de casa demasiado difícil, segundo os resultados das investigações realizadas pela Procuradoria da região.

    O comunicado oficial publicado no site do órgão informa que a investigação, iniciada pela queixa anônima dos pais dos alunos, apurou que a professora exigia das crianças que fizessem grande número de deveres de casa por escrito e que memorizassem versos muito difíceis. Por sua própria iniciativa prolongava as aulas, cortando os intervalos, deixava os alunos na sala depois das aulas para que estudassem mais. O outro abuso incriminado é que avaliava o trabalho de casa de seus alunos com notas, o que é proibido por despacho do Ministério da Educação da Rússia.

    “Os resultados da investigação efetuada pela procuradoria regional foram encaminhados à polícia com vistas de ser instaurado um processo contra a professora por atividade profissional de formação de menores executada de forma indevida e violenta”, diz o comunicado.

    O boletim especifica ainda que foi apurada uma violação das normas éticas de conduta por parte da professora. De acordo com a investigação, os alunos do primeiro ano do ensino fundamental eram tratados de forma indevida, insultados e sofriam coerções físicas e morais.

    Mais:

    Menino russo inventa robô para franco-atiradores
    Tags:
    ensino fundamental, menor, professores, violação, escola, Chelyabinsk, Urais, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar